Honestidade é um princípio!

Princípio é indivisível, não permite fracionamentos, independe das circunstâncias em que estamos inseridos

Fábio Guimarães - 18/09/2017 16h58

Honestidade é um princípio! / Foto: Divulgação

As informações que recebemos diariamente são desanimadoras em praticamente todas as áreas em que vivemos. Como lidar com esse “fantasma” e não deixar se abalar, não desanimar, buscar seus objetivos profissionais, pessoais, espirituais e tantos outros com afinco e disposição?

Não é fácil. Toda semana políticos, empresários e funcionários públicos estão sendo presos; todos os seus últimos Presidentes da República têm problemas com a justiça; Governadores, Ex-Governadores, Prefeitos, Vereadores e Secretários estão na cadeia por corrupção. Os recursos públicos roubados estão na casa de bilhões, tem dinheiro na cueca, nas meias e até 51 milhões de reais em não sei quantas malas em um único apartamento baiano. Há corrupção no Executivo, no Legislativo e no Judiciário. Ah, também tem na vaga que você estaciona seu carro na rua, no cafezinho do policial, na mercadoria sem procedência que você compra no trem e no metrô.

Precisamos enquanto sociedade refletir qual a linha que nos separa, essa linha é tênue, muita fina. Onde começa e termina atos de honestidade e desonestidade?

Trabalho o mês inteiro e não recebo salário porque a corrupção sistêmica no meu país não deixa. Posso então fazer “gato na luz”, ter “gatonet”?

Não recebi meu décimo terceiro do ano passado e já estamos no final deste ano, os corruptos estão lá milionários, posso tentar um empréstimo no banco já com a intenção de não pagar?

Sou policial e tenho meta de propina quando saio com o carro do quartel, não tenho alternativa. Ou tenho?

Sou jovem e estou a um ano estudando para um concurso público, agora as vagas serão mínimas e não confio nesses governantes. Posso tentar comprar minha vaga com uma quadrilha que oferece esse serviço? Sou “honesto” e serei um excelente funcionário público, só não passo porque esse sistema covarde e corrupto não me dá a oportunidade de que preciso.

Todos os relatos acima são reais e assustadores; esses e outros eu ouvi no último mês, seja de conhecidos ou desconhecidos conversando livremente em conduções. Honestidade é um princípio, ou deveria ser, e como todo princípio é indivisível, não permite fracionamentos, independe das circunstâncias que estamos inseridos.

Todo cidadão precisa pensar a todo instante onde está essa linha imaginária que faz romper com seus princípios; essa linha é uma demarcação mental e moral que valerá por toda sua vida; “ultrapassar só um pouquinho” é utopia; quando se ultrapassa essa linha automaticamente ela é apagada da sua mente e outra linha é criada mais à frente; o custo dessa modificação de trajetória de vida não vale a pena, independentemente dos exemplos que vivenciamos diariamente em nosso país.

O ensinamento é antigo, mas super válido: orar e vigiar sempre “pois estamos tendo o cuidado de fazer o que é correto, não apenas aos olhos do Senhor, mas também aos olhos dos homens.” 2 Coríntios 8:21


Fábio Guimarães é economista, formado pela UFRRJ com MBA em Gestão de Negócios pelo IBMEC-RJ. Palestrante, consultor e debatedor, atuou por mais de 10 anos como gestor nas áreas de trabalho e renda e desenvolvimento econômico.