Pontos de vista

Elaine Cruz - 24/01/2019 10h16


Imagine uma folha de papel ofício branca, sem nenhuma rasura ou anotação. Agora imagine-se pegando uma caneta esferográfica preta, e colocando um ponto preto em qualquer parte desta folha em branco. O que você enxergaria agora?

Nossa tendência é olhar para o papel e ver o ponto preto. Ele nos chama a atenção, a despeito de haver muito mais branco do que preto em nossa folha. Deixamos de ver a folha branca, mesmo que manchada de preto, e focamos só no ponto preto.

O ponto preto na folha branca não altera a cor da folha. De forma semelhante, um erro cometido por alguém não torna esta pessoa essencialmente ruim, como alguém que precisamos estigmatizar e descartar. Um defeito em nosso temperamento, enquanto não é tratado, pode até denegrir nosso imagem e autoestima. A não ser que este “ponto preto” seja muito grave e pecaminoso, não significa que possa anular um número grande de qualidades que possuímos.

O ponto preto pode ser apagado, e a folha pode voltar a ser vista como essencialmente branca. Mas, precisamos reavaliar nossos pontos de vista, escolhendo enxergar os valores positivos, optando por ressaltar as qualidades das pessoas com as quais convivemos.

Pessoas gratas, que decidem desenvolver pontos de vista positivos sobre as situações e as pessoas, conseguem ser mais felizes: aprendem a ter o refrigério da fé!

Elaine Cruz é pastora no Ministério Fronteira, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro; Psicóloga clínica e escolar, especializada em Terapia Familiar, Dificuldades de Aprendizagem e Psicomotricidade; Mestre em Educação pela Universidade Federal Fluminense; palestrante e conferencista internacional, com trabalhos publicados no Brasil e no exterior; Mestre em Teologia pelo Bethel Bible College (EUA); e membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil, com oito livros publicados.

Clique para receber notícias
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo