Todos têm seu preço!?

O ser humano gosta de mandar, dominar, subverter e submeter pessoas

Elaine Cruz - 21/11/2019 10h52

Há alguns anos lançaram um filme para debater a crença de que as pessoas podem ser corrompidas por dinheiro: um magnata oferecia uma alta quantia de dinheiro para ter uma noite de sexo com a esposa de um casal endividado. Eles concordam, acabam se separando pelo fato de não conseguirem lidar com remorsos e culpas, mas como em filmes o final feliz é sempre esperado, acabam retornando à vida conjugal.

São muitos os filmes mostrando grupos de adolescentes praticando bullying a fim de serem os mais importantes e influenciadores de seu bairro ou da escola. Muitos jovens formam gangues para assegurar controle e poder sobre outros, através da força ou violência. Todos os dias lemos em jornais matérias de homens e mulheres com vida modesta, que entram para a política ou corporações financeiras, e se tornam notícia pelo fato de se corromperem com o poder ou dinheiro, denunciados por corrupção ou desvio de dinheiro.

A história mostra a corrupção de reis, bispos, governantes e pessoas comuns, sempre na busca de poder financeiro ou político, buscando prestígio de modo impróprio, através de uma escalada social imprudente e ilícita. O ser humano gosta de mandar, dominar, subverter e submeter pessoas: os tiranos e ditadores nos servem de exemplo.

Infelizmente, ainda hoje o mundo convive com ditadores, pequenos tiranos em seu domínio terrorista, seja de um pequeno bairro, de instituições ou em países. Além do mundo real, são muitos os que se apropriam do mundo virtual, oprimindo pessoas através de sites que incitam a pornografia, a violência, o terror e o suicídio. As pessoas até hoje se vendem por fama, por dinheiro e por poder.

Pais, professores, avós, educadores, pastores, amigos, enfim todos nós, necessitamos urgentemente voltar aos princípios morais e bíblicos que defendemos. A nova geração precisa saber que há limites para toda e qualquer autoridade e poder humano. Nossos filhos precisam conhecer seus limites, respeitar seus corpos e os direitos dos outros. Nossos pares devem ouvir de nós que não vamos nos corromper com dinheiro sujo, que não vamos participar do esquema de propina, ou levar dinheiro por fora do firmado em contrato.

Não vamos nos vender, não temos um preço que possa ser pago com dinheiro humano! Afinal, nenhum valor financeiro compensa a perda da boa consciência, nenhum prestígio substitui a salvação em Jesus Cristo, nenhuma glória terrena se compara com a que esperamos no porvir!

Elaine Cruz é pastora no Ministério Fronteira, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro; Psicóloga clínica e escolar, especializada em Terapia Familiar, Dificuldades de Aprendizagem e Psicomotricidade; Mestre em Educação pela Universidade Federal Fluminense; palestrante e conferencista internacional, com trabalhos publicados no Brasil e no exterior; Mestre em Teologia pelo Bethel Bible College (EUA); e membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil, com oito livros publicados.

Clique para receber notícias
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo