Madame Grès é sinônimo de sofisticação no mundo da moda

Ela vestiu nomes como Jackie Kennedy, Grace Kelly e Greta Garbo

Marie Lafayette - 28/05/2019 15h43

Olá! Hoje eu vou escrever sobre uma das maiores moulagistas que o mundo já teve, Madame Grès. Essa é a minha opinião e acredito que de muitos outros amantes da moda!

Primeiro, vou explicar o quer quer dizer moulage. Para quem não sabe, moulage vem do francês moule que significa forma, molde. A expressão fait au moule significa feito sob medida.

Existem muitas maneiras e técnicas de fazer moulage. Algumas focam no aspecto criativo, e nesse quesito Madame Grès era imbatível. Seus vestidos podemos chamar de esculturas feitas no corpo humano.

Madame Grès sonhava em ser escultora, não realizou esse sonho, mas trouxe para o mundo da moda esse dom. Ela revolucionou as técnicas de costuras. Por não seguir nenhuma, era autodidata e aprendeu sozinha a fazer roupas. Seus vestidos de jersey e seda vestiram as mulheres mais elegantes do mundo como Jackie Kennedy, Grace Kelly, Wallis Simpson, Vivien Leigh, Greta Garbo e Marlene Dietrich.

Grès foi uma mulher extremante reservada durante toda a sua vida. Ela não gostava de dar entrevistas, mas com seu jeito reservado inspirou grandes estilistas como Yves St Laurent e Azzedine Alaïa.

Ela criou um perfume que foi sucesso absoluto em 1959 e continua fazendo sucesso até hoje, o Cabochard.

Madame Grès morreu em 1993 esquecida pelo mundo da moda. Hoje, algumas de suas peças podem ser vistas no Museu da Moda de Paris. Eu já estive lá e posso garantir que vale a visita, até para quem não trabalha com moda. Não são simples roupas, mas esculturas feitas à mão e quase sem o uso de tesouras.

Marie Lafayette é estilista formada na Esmod Paris. Trabalhou em diversos países como França, Espanha, Itália e Estados Unidos. Há 12 anos atende no Marie Lafayette Atelier Haute Couture, no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Clique para receber notícias
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo