Leia também:
X Congresso aprova despacho gratuito de bagagens em voos

Estados dizem que irão perder até R$ 83,5 bi com “teto do ICMS”

Câmara deve analisar projeto que estabelece um limite para o imposto nas áreas de combustível, energia e outros

Henrique Gimenes - 25/05/2022 15h55 | atualizado em 25/05/2022 16h12

Estados dizem que perderão R$ 83,5 bi com ‘teto do ICMS’ Foto: Fotos Públicas/Rafael Neddermeyer

Diante da possibilidade de a Câmara dos Deputados votar um projeto que estabelece um teto para o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) de combustíveis, energia, telecomunicações e transporte público, os estados decidiram se manifestar. Em documento divulgado nesta quarta-feira (25), os governadores apontaram que os estados devem perder cerca de R$ R$ 83,5 bilhões com a medida.

A perda, de acordo com o cálculos do Comitê Nacional de Secretários Estaduais de Fazenda (Comsefaz), ocorreria caso os combustíveis tivessem alta de 30% até o final do ano. Já no cenário atual, os estados estimam um perda de R$ 64,2 bilhões.

O Projeto de Lei Complementar 18/2022 foi apresentado à Câmara pelo deputado federal Danilo Forte (UNIÃO-CE). A ideia do texto é evitar que combustíveis, energia elétrica, comunicações e transportes coletivos não possam ser tratados como supérfluos. Com isso, o máximo de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) que poderia ser aplicado aos itens seria de 17%.

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), disse que pretende colocar o projeto em votação nesta semana.

Leia também1 Renan: "Lira quer bater a carteira de governadores e prefeitos"
2 Lira defende fim da taxação excessiva de bens e serviços
3 Combustíveis: Bolsonaro vai ao STF por mudança no ICMS
4 Parlamentares buscam caminho para corrigir tabela do IR
5 Lira quer limitar valor do ICMS sobre energia e combustíveis

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.