Leia também:
X Bolsonaro: ‘Se for a vontade de Deus, espero ir à posse de Trump’

Israel recebe pela 1ª vez uma delegação dos Emirados Árabes

Em rede social, primeiro-ministro israelense falou sobre acordos conjuntos, entre eles o de isenção de vistos

Pleno.News - 20/10/2020 17h31 | atualizado em 20/10/2020 17h38

Israel recebe pela primeira vez uma delegação dos Emirados Árabes Foto: Reprodução/Benjamin Netanyahu

A primeira delegação oficial dos Emirados Árabes Unidos chegou a Israel nesta terça-feira (20). O encontro representa mais uma etapa da rápida normalização das relações e da assinatura de diversos acordos, entre eles a isenção de vistos entre cidadãos dos dois países.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, recebeu a delegação no Aeroporto Internacional Ben Gurion, nos arredores de Tel Aviv. Desembarcaram no local os ministros de Finanças e Economia do país árabe, Obaid Humaid Al Tayer e Abdulla Bin Touq Al Marri.

A delegação veio acompanhada pelo secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steve Mnuchin, e pelo o conselheiro da Casa Branca e enviado especial para Negociações Internacionais, Avi Berkowitz.

Estão previstos diversos acordos nas áreas de aviação, proteção de investimentos e ciência e tecnologia. A delegação não sairá do aeroporto e os pactos serão assinados no local, por motivos de precaução com o contágio pelo coronavírus.

– Eu realizei uma cúpula política emocionante, hoje, entre Israel, Estados Unidos e os Emirados Árabes Unidos. Trouxemos a verdadeira paz. Assinamos acordos conjuntos que permitirão dezenas de voos semanais entre o aeroporto Ben Gurion e Abu Dhabi e Dubai e um acordo de isenção de vistos – escreveu o primeiro-ministro israelense, no Twitter.

Netanyahu terá um encontro com Mnuchin, Berkowitz, Al Tayer e Al Marri, e depois uma reunião bilateral com Mnuchin.

A viagem é o passo seguinte à ratificação do acordo de construção de relacionamento, mediado por Washington e assinado na Casa Branca em setembro.

Os Emirados são o terceiro país árabe a estabelecer relações com Israel, quebrando o consenso histórico da Liga Árabe de não normalizar os laços até que haja um acordo de paz de Israel com a Palestina e o estabelecimento de um estado palestino independente.

A decisão de Abu Dhabi foi seguida imediatamente pelo Bahrein, que também assinou na mesma época um memorando de normalização, cujos detalhes ainda estão em negociação.

Tanto Israel quanto os EUA estão convencidos de que mais países árabes seguirão os passos dos Emirados, o que os palestinos consideram uma “traição”.

*Com informações da Agência EFE

Leia também1 Bolsonaro: 'Se for a vontade de Deus, espero ir à posse de Trump'
2 EUA processam o Google por monopólio de sistema de buscas
3 Gerente denuncia manipulação do Google contra Donald Trump
4 Trump quer que filho de Biden seja investigado antes da eleição
5 Nasa: Nokia implantará internet 4G na Lua até o final de 2022

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.