Leia também:
X “Brasil não concorda com a invasão do território ucraniano”

Itamaraty pede suspensão das hostilidades na Ucrânia

Ministério das Relações Exteriores emitiu nota nesta quinta-feira

Pleno.News - 24/02/2022 11h37 | atualizado em 24/02/2022 13h00

Palácio Itamaraty Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Nesta quinta-feira (24), o Ministério das Relações Exteriores do governo do presidente Jair Bolsonaro emitiu uma nota a respeito da situação na Ucrânia. No texto, Itamaraty fez um apelo pela “suspensão imediata das hostilidades” no território ucraniano.

– O governo brasileiro acompanha com grave preocupação a deflagração de operações militares pela Federação da Rússia contra alvos no território da Ucrânia – diz trecho da nota.

O Brasil pede ainda o “início de negociações conducentes a uma solução diplomática para a questão, com base nos Acordos de Minsk e que leve em conta os legítimos interesses de segurança de todas as partes envolvidas e a proteção da população civil”.

– Como membro do Conselho de Segurança das Nações Unidas, o Brasil permanece engajado nas discussões multilaterais com vistas a uma solução pacífica, em linha com a tradição diplomática brasileira e na defesa de soluções orientadas pela Carta das Nações Unidas e pelo direito internacional, sobretudo os princípios da não intervenção, da soberania e integridade territorial dos Estados e da solução pacífica das controvérsias.

Leia, abaixo, a nota na íntegra:

O governo brasileiro acompanha com grave preocupação a deflagração de operações militares pela Federação da Rússia contra alvos no território da Ucrânia.

O Brasil apela à suspensão imediata das hostilidades e ao início de negociações conducentes a uma solução diplomática para a questão, com base nos Acordos de Minsk e que leve em conta os legítimos interesses de segurança de todas as partes envolvidas e a proteção da população civil.

Como membro do Conselho de Segurança das Nações Unidas, o Brasil permanece engajado nas discussões multilaterais com vistas a uma solução pacífica, em linha com a tradição diplomática brasileira e na defesa de soluções orientadas pela Carta das Nações Unidas e pelo direito internacional, sobretudo os princípios da não intervenção, da soberania e integridade territorial dos Estados e da solução pacífica das controvérsias.

Leia também1 "Brasil não concorda com a invasão do território ucraniano"
2 Web relembra tuíte de Chacra sobre mundo suave sem Trump
3 Capitão da seleção ucraniana diz desejar a morte de Putin
4 Ataques: Ucrânia informa 40 mortes entre militares do país
5 Macron pede reunião da Otan para discutir invasão à Ucrânia

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.