Leia também:
X Zema confirma a paralisação do Campeonato Mineiro

Moderna inicia testes de vacina contra Covid em bebês e crianças

Testes serão com crianças de 6 meses a 11 anos

Monique Mello - 18/03/2021 16h23 | atualizado em 18/03/2021 16h36

Brasil fechou acordo para aquisição da vacina da Moderna Foto: Divulgação/Moderna

Nesta terça-feira (16), a Moderna, empresa de biotecnologia sediada nos Estados Unidos, começou a testar sua vacina contra a covid-19 em crianças menores de 12 anos, incluindo bebês a partir dos seis meses de idade. A informação foi divulgada pelo jornal norte-americano The New York Times.

A vacina da Moderna é a única aplicada hoje nos Estados Unidos que pode ser dada a pessoas com 16 anos ou mais. As outras vacinas que o país aprovou, a da Pfizer e a da Johnson, só podem ser aplicadas a partir dos 18 anos.

De acordo com Colleen Hussey, porta-voz da empresa, cerca de 6.750 crianças saudáveis devem receber duas doses da vacina, com 28 dias de intervalo entre elas, nos Estados Unidos e no Canadá.

O estudo terá duas partes. Na primeira, as crianças que tiverem entre 2 e 12 anos poderão receber duas doses de 50 ou 100 microgramas cada. Já as crianças com menos de 2 anos poderão receber duas injeções de 25, 50 ou 100 microgramas. A dose aplicada em adultos é de 100 microgramas.

Após a aplicação, as crianças serão monitoradas quanto às reações, antes que outro grupo receba as doses. Os pesquisadores também vão analisar qual dose é a mais segura para cada faixa etária. As crianças na segunda parte do estudo receberão as doses selecionadas pela análise.

A farmacêutica realiza também outro estudo que irá testar o imunizante em 3.000 crianças com idades entre 12 e 17 anos. A perspectiva é de que os resultados estejam disponíveis até o segundo semestre deste ano.

No Brasil, o Ministério da Saúde está negociando a compra da vacina desenvolvida pela Moderna, mas a farmacêutica ainda não apresentou à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) nenhum pedido de liberação para uso emergencial ou de registro definitivo, documentos necessários para que o imunizante seja aplicado no país.

Leia também1 Queiroga quer "distanciamento social inteligente" contra a Covid
2 Bolsonaro: "A pandemia virou guerra contra o presidente"
3 AstraZeneca não está ligada à trombose, diz agência europeia
4 Vacinados contra Covid-19 no Brasil chegam a 10,7 milhões
5 Equador: Estrangeiros vacinados poderão entrar sem teste PCR

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.