Leia também:
X Consulados dos EUA retomarão entrevistas para vistos

Pedido para indiciar Heinze na CPI é ‘um excesso’, diz Pacheco

Presidente do Senado, no entanto, afirmou que não irá interferir na comissão

Henrique Gimenes - 26/10/2021 17h06 | atualizado em 26/10/2021 17h27

Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco Foto: Agência Senado/Waldemar Barreto

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), disse considerar um “excesso” a decisão da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) de pedir indiciamento do senador Luis Carlos Heinze (PP-RS) no relatório final. Apesar disso, Pacheco afirmou que não irá “interferir”.

Renan Calheiros (MDB-AL) decidiu incluir o nome de Heize no relatório para atender a um pedido do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), feito após Heinze realizar a leitura de seu relatório paralelo. O senador gaúcho defendeu o uso de medicamentos como a hidroxicloroquina contra a Covid-19 e fez críticas aos trabalhos da CPI. Com a inclusão de Heinze, a lista de pedidos de indiciamento passou a ter 81 nomes.

Ao comentar a situação, Pacheco afirmou que é “decisão da CPI”.

– Nunca interferi e não interferirei nos trabalhos da CPI. Mas, pelo que percebo, considero o indiciamento do senador Heinze um excesso. Mas a decisão é da CPI – explicou o senador em nota.

A inclusão do nome do parlamentar revoltou membros do colegiado que não fazem parte do G7, como o senador Eduardo Girão (Podemos-CE). De acordo com ele, a decisão de pedir o indiciamento de Heinze pode ser encarada como “revanchismo e perseguição”.

Leia também1 Omar Aziz se irrita com Renan: 'Entregou a gente aos leões'
2 CPI: Após inclusão de Heinze, relatório chega a 81 indiciados
3 Renan inclui nome do senador Heinze entre indiciados da CPI
4 Renan ataca Bolsonaro: 'Serial killer tem compulsão por morte'
5 Renan decide incluir governador do Amazonas entre indiciados

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.