Leia também:
X Estados dizem que já deixaram de ganhar R$ 3,4 bilhões com congelamento do ICMS sobre combustíveis

Dinheiro esquecido: 5,8 milhões ainda não fizeram a consulta

De acordo com o BC, 22,1 milhões acessaram o site

Monique Mello - 22/02/2022 12h28 | atualizado em 22/02/2022 13h16

As chances de se gastar o 13° salário muito rápido são grandes
Consultas de valores a receber foram divididas em duas etapas Foto: Pixabay

Com pouco mais de uma semana no ar, o Sistema de Valores a Receber (SVR) ainda não foi consultado por 5,8 milhões de pessoas e empresas com dinheiro esquecido em bancos. De acordo com o Banco Central, até agora 22,1 milhões acessaram o site, entre os 28 milhões de CPFs e CNPJs com saldo a receber na primeira etapa.

Até a meia-noite de domingo (20), foram 102,701 milhões de buscas por CPFs e CNPJs na plataforma. Deste total, 100,151 milhões referem-se a pessoas físicas e 2,550 milhões a pessoas jurídicas.

O valor previsto em contas paradas é de R$ 8 bilhões. O BC prevê o pagamento de R$ 3,9 bilhões na primeira etapa, que começou com as consultas em 13 de fevereiro e tem previsão de início dos resgates em 7 de março. Os outros R$ 4,1 bilhões devem ser pagos na segunda etapa, a partir de 2 de maio.

Os valores a receber serão conhecidos apenas no momento do resgate, que foi escalonado em três grupos para evitar uma corrida bancária.

Para saber quanto receberá de volta, será necessário estar cadastrado na plataforma Gov.br do governo federal, com um nível de acesso prata ou ouro – que demandam mais autenticações, como reconhecimento facial e autorização via aplicativo do banco. A divisão de agendamentos foi feita de acordo com o ano de nascimento ou de criação da empresa.

Quem não estiver apto agora poderá tentar novamente a partir de 2 de maio, quando uma nova fase será aberta na plataforma, incluindo mais “saldos esquecidos”.

Para consultar se você tem direito a algum valor, basta acessar o site Valores a Receber. Nele, o cliente precisa fornecer o número do CPF e a data de nascimento (no caso de pessoas físicas), ou o CNPJ e a data de abertura da empresa (no caso de pessoas jurídicas). Se houver algum valor a ser devolvido, o sistema irá informar a data para solicitar o resgate.

Leia também1 Sem dinheiro "esquecido"? Maio pode alterar situação. Entenda!
2 Jovem ganha R$ 1 milhão no dia do nascimento do filho
3 PF mira superfaturamento na compra de respiradores em SP
4 Jair Bolsonaro: "Tirei dinheiro de ONG do MST. Não tem mais MST"
5 Bolsonaro diz que forma com Paulo Guedes um "casal perfeito"

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.