Leia também:
X Argentina suspende buscas por avião que sumiu com brasileiros

Urgência de Fake News pode ser votada novamente, aponta Lira

Presidente da Câmara defendeu o PL das Fake News, em discussão na Casa

Henrique Gimenes - 12/04/2022 16h53 | atualizado em 12/04/2022 17h39

Presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira Foto: Câmara dos Deputados/Michel Jesus

Nesta terça-feira (12), o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), defendeu o PL das Fake News e apontou que novos pedidos de urgência sobre o tema podem ser apreciados, já que a Legislação da Casa permite. Ele defendeu a necessidade de um projeto sobre o assunto.

A declaração foi dada ao falar com jornalistas.

– Eu acho um erro, eu acho que a gente não pode ficar sem uma legislação que trate do assunto com clareza. O tema vem sendo discutido só na Casa há quase três anos – apontou.

O presidente da Câmara ainda disse que, caso a Casa não defina uma legislação sobre o tema, todos ficarão “suscetíveis a uma vontade do Judiciário”.

– Ninguém ganha [sem legislação], acho que todos nós vamos ficar, sem sombra de dúvida, suscetíveis a uma vontade do Judiciário, quando a gente condena que o Judiciário se imponha ao Legislativo, quando o Legislativo não quer discutir e fazer leis que tenham um caminho mínimo de gestão dessa problemática – ressaltou.

A Câmara dos Deputados rejeitou a urgência para o projeto na semana passada. Foram 249 votos pela urgência, contra 207 votos contrários. Para ser aprovado, no entanto, o requerimento precisava de 257 votos favoráveis.

Leia também1 Saiba como cada deputado votou na urgência do PL das fake news
2 Lula tenta desmentir a própria declaração sobre classe média
3 Fake da Folha de SP sobre rainha repercute na imprensa britânica
4 PL de Fake News: Tereza Cristina vota sim e se explica no Twitter
5 Bolsonaro elogia quem não deu urgência ao PL das fake news

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.