Leia também:
X Fotos de religiosos com pistola para batizar bebês viralizam

86 milhões de crianças devem entrar na pobreza após Covid

Medidas para conter pandemia com queda na renda devem piorar situação de milhões de famílias

Paulo Moura - 28/05/2020 08h54 | atualizado em 28/05/2020 11h03

Crianças em situação de pobreza Foto: Unicef

As consequências econômicas da pandemia do novo coronavírus podem empurrar cerca de 86 milhões de crianças para a pobreza neste ano, elevando o total mundial para 672 milhões, conforme alerta feito na quarta-feira (27) pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e a ONG Save the Children, pedindo aos governos que tomem medidas de proteção social para preveni-la.

De acordo com um relatório publicado pela agência da ONU para a infância e pela organização britânica, o maior aumento da pobreza será visto em países da Europa e da Ásia Central, com um aumento de até 44%, enquanto na região da América Latina e Caribe o aumento é estimado em 22%.

– A pandemia do coronavírus desencadeou uma crise socioeconômica sem precedentes, que está drenando recursos de famílias em todo o mundo – declarou a Diretora Executiva do Unicef, Henrietta Fore, em comunicado.

Segundo Fore, a dimensão da crise ameaça desfazer anos de progresso na redução da pobreza infantil e deixar as famílias com menos recursos a um nível de privação que não é visto em décadas.

O relatório adverte que o impacto das medidas de combate à pandemia já está sendo sentido na forma de perda imediata de renda, o que dificulta para muitas famílias o pagamento de despesas básicas, mas também alerta para o perigo de que, a longo prazo, as medidas de consolidação fiscal possam reduzir os serviços públicos dos quais muitas crianças dependem.

Segundo a Save the Children, as crianças mais novas são muito vulneráveis a períodos de fome ou desnutrição, mesmo que sejam muito curtos, pois podem deixar consequências ao longo da vida.

– Se agirmos agora e de forma decisiva, podemos prevenir e conter a ameaça da pandemia nos países mais pobres e em algumas das crianças mais vulneráveis – afirmou a CEO da ONG, Inger Ashing, na nota.

Assim, o Unicef e a Save the Children estão apelando para uma grande expansão dos sistemas e programas de proteção social, incluindo assistência financeira direta às famílias, merenda escolar e outras medidas. Eles pedem também acesso universal a cuidados de saúde de qualidade e creche ou licença remunerada para cuidar de crianças.

*Com informações da Agência EFE

Leia também1 Cidade faz carreata para dar adeus a garoto morto pela mãe
2 Mãe joga bebê em telhado após não conseguir abortar
3 Mulher é presa após confessar que matou o filho de 11 anos
4 Morte de crianças por fome é maior que óbitos por Covid
5 'Quem ficar parado vai morrer de fome', afirma Bolsonaro

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.