Leia também:
X PGR vai ao STF para suspender o inquérito das Fake News

Cidade faz carreata para dar adeus a garoto morto pela mãe

Habitantes de Planalto acompanharam velório e enterro de Rafael Winques

Gabriela Doria - 27/05/2020 15h52 | atualizado em 27/05/2020 18h34

Cidade de Planalto, no Rio Grande do Sul, fez carreta após morte do menino Rafael Winques, de 11 anos Foto: Agência RBS/Lauro Alves

Tristeza e revolta tomaram conta da pequena cidade de Planalto, a 350 quilômetros de Porto Alegre, no Noroeste gaúcho, desde a confirmação da morte do menino Rafael Winques, de 11 anos, que estava desaparecido desde o dia 15 deste mês.

Uma perícia preliminar indica que a criança foi estrangulada com uma corda. Seu corpo foi encontrado na última segunda-feira (25) em uma caixa de papelão com mãos e pés amarrados. A mãe confessou a morte, mas sua versão contradiz a perícia: ela alega que deu remédio para acalmá-lo e que a morte não teria sido intencional.

Uma carreata silenciosa com centenas de carros circulou pelas ruas do município de 10.650 habitantes no final da tarde da última terça-feira (26). Os carros saíram da frente da Igreja Matriz e levavam balões brancos em homenagem à criança.

A prefeitura decretou luto oficial por três dias. O velório do garoto ocorreu em meio à pandemia do novo coronavírus. As pessoas precisaram manter o distanciamento no saguão da funerária e apenas dez pessoas por vez podiam permanecer no interior da capela. Todos precisavam usar máscara.

O caixão branco estava fechado e tinha um porta-retrato com uma foto do menino. Rafael foi enterrado no Cemitério Municipal.

– Foi muito triste, o povo de Planalto se revoltou. A própria mãe fez isso com o filho. A gente não esperava. Ela pediu ajuda até no programa de televisão para achar o filho dela. Foi fria e depois descobriram que ela mesma matou – diz Ivone Correa Machado, proprietária da funerária Santo Antônio, onde Rafael foi velado.

Segundo o delegado do caso, ficou evidente que se tratava de um homicídio intencional.

– Quando vimos o corpo, percebemos que se tratava de um homicídio qualificado, e não [um homicídio] culposo – disse delegado do caso, Ercílio Carletti. Homicídio culposo é quando não existe a intenção de matar a vítima; homicídio doloso, que pode ou não ser qualificado por agravante, é quando existe essa intenção.

Presa na última segunda (25), a mãe não esboçou emoção ao relatar o suposto sumiço da criança quando foi visitada em casa pela promotora que acompanha o caso. A visita ocorreu de surpresa, na semana passada, antes da confissão.

– O que me chamou muito atenção foi a falta de emoção da mãe quando ela relatou esses fatos [da noite do suposto desaparecimento]. Era uma coisa muito coerente, organizada. Em momento algum, do tempo que fiquei lá, uma hora e pouco, ela se emocionou, chorou ou esboçou sentimento – disse a promotora Michele Taís Dumke Kufner.

Ela diz ainda que na visita, pensou que a falta de reações poderia ser por causa do desgaste da situação.

– Apesar de ter me chamado atenção, [a frieza] não foi um fator determinante em um primeiro momento porque ela poderia estar esgotada emocionalmente e sem conseguir esboçar reação – explicou a promotora.

Segundo relatos de conhecidos, Rafael era um garoto estudioso, tranquilo e que não se queixava da mãe. Adultos que conheciam a criança relataram à promotora que ele era assíduo na escola e que parecia bem cuidado, com roupas adequadas ao clima frio da região e bem alimentado.

*Folhapress

Leia também1 Mulher é presa após confessar que matou o filho de 11 anos
2 Mãe joga bebê em telhado após não conseguir abortar
3 Pedófilo que abusou de alunas prefere ser castrado a preso
4 ENTREVISTA: Pai de Gabriel Diniz fala do 1 ano sem o filho
5 Sem laudos, polícia vê versão de Bilynskyj como verossímil

WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.