Guedes corta estagiários e até café para equilibrar contas

Medida permitirá que ministério continue fazendo restituições de IR e emitindo CPFs

Pleno.News - 22/08/2019 16h17

Redução de custos acontecerá para manter ministério funcionando Foto: Agência Brasil/José Cruz

O Ministério da Economia anunciou nesta quinta-feira (22) o corte de gastos com estágio, telefonia e pacote de dados para servidores, diárias e passagens internacionais e até café para tentar resolver problemas de caixa que ameaçam, entre outras coisas, a emissão de CPFs e o pagamento de restituições do Imposto de Renda.

Em portaria publicada no Diário Oficial, o ministério afirmou que o objetivo é racionalizar os gastos e cortar despesas neste ano. Serão suspensas novas contratações de serviços de consultoria, treinamento e capacitação de servidores, estágio remunerado e mão de obra terceirizada.

O ministério deixará ainda de fazer novas contratações para comprar bens e móveis, realizar obras, serviços de engenharia, melhorias físicas e alterações de layout, contratar desenvolvimento de software e soluções de informática, pagar diárias e passagens internacionais e adquirir insumos e máquinas de café.

A economia prevista com as medidas é de R$ 366 milhões, e outro R$ 1,8 bilhão será remanejado dentro do Ministério para alcançar os R$ 2,16 bilhões necessários e manter os serviços essenciais à população funcionando.

Serviços de telefonia móvel e pacote de dados para servidores, exceto para atividades de fiscalização, também estão na lista.

Foi dado prazo de 30 dias para que sejam adotadas medidas para encerrar contratos de obras, serviços de engenharia e desenvolvimento de software e soluções de informática. No mesmo período, os estágios remunerados em vigor deverão ser reduzidos em, no mínimo, 50%.

Além de vedar novas contratações, o ministério também determinou a redução de gastos correntes até 31 de dezembro. Em alguns casos, como aquisição de café, manutenção de bens imóveis, serviços técnicos profissionais, equipamentos e materiais permanentes, a ordem é cortar totalmente os gastos. Em outros, como mão de obra terceirizada, a redução da despesa é menor, de 5%.

*Folhapress

LEIA TAMBÉM+ Bolsonaro está disposto a falar sobre 'nova CPMF' com Guedes
+ Bolsonaro revela qual deve ser primeira estatal privatizada
+ Guedes anuncia privatização de 17 empresas até fim do ano


Clique para receber notícias
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo