Leia também:
X MPF cobra Twitter por classificar post da Saúde como ‘enganoso’

Vazamento expõe dados pessoais de 220 milhões de brasileiros

Hackers obtiveram também informações de 104 milhões de veículos e 40 milhões de CNPJs

Thamirys Andrade - 21/01/2021 13h37 | atualizado em 21/01/2021 14h40

vazamento de dados, hacker, darkweb
Dados podem ser utilizados em golpes de phishing Foto: Markus Spiske | Unsplash

Um vazamento em um banco de dados expôs informações de 220 milhões de pessoas; praticamente toda a população brasileira. O crime foi identificado pelo dfndr lab, laboratório de pesquisa de segurança da PSafe na última terça-feira (19). As informações roubadas incluem nomes completos, CPF, datas de nascimento, dados de 104 milhões de automóveis e de 40 milhões de empresas. Entre as pessoas afetadas, também há autoridades nacionais.

Até o momento, a PSafe não divulgou o nome da empresa detentora das informações violadas e ainda não têm conhecimento de como o material foi parar nas mãos dos cibercriminosos. De acordo com Emilio Simoni, diretor do laboratório, esses dados são usualmente utilizados para golpes por phishing, nos quais hackers se passam por um serviço autêntico para obter informações confidenciais do usuário.

– Uma vez que o cibercriminoso tenha o CPF e outros dados reais da pessoa, seria fácil ele se passar por um serviço legítimo e utilizar engenharia social para obter dados mais críticos da vítima, que poderiam ser utilizados para pedir empréstimos, senha de banco e contratações de serviços […] Os cibercriminosos disponibilizam parte das bases para comprovar a veracidade das informações obtidas e tentam de alguma forma lucrar com esses incidentes, vendendo dados mais aprofundados, como e-mails, telefones, dados de poder aquisitivo e ocupação das pessoas afetadas – alerta Simoni.

O roubo de dados identificado pela PSafe vai além de informações básicas dos cidadãos; inclui informações detalhadas de veículos, como número de chassi, placa, município, cor, modelo, marca, cilindradas, ano de fabricação e até o tipo de combustível utilizado. Já entre os dados das 40 milhões empresas expostas, estão CNPJ, razão social, data de fundação e nome fantasia.

Leia também1 WhatsApp adia início de nova política de privacidade de dados
2 Descubra como evitar o golpe do falso código QR
3 Golpistas fingem agendamento de vacina e clonam dados
4 Procon-RJ lista os 25 golpes mais comuns na internet
5 Em 2020, pedofilia na internet aumentou em quase três vezes

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.