Leia também:
X WhatsApp deixa de funcionar em diversos celulares. Veja lista

“Lula ladrão”: Restaurantes têm nomes alterados no iFood

No lugar do nome de estabelecimentos, frases com conotações políticas como "Bolsonaro 2022" foram inseridas

Paulo Moura - 03/11/2021 07h38 | atualizado em 03/11/2021 10h07

App iFood teve nomes de restaurantes trocados Foto: Unsplash

Diversos restaurantes que fazem parte do iFood, plataforma virtual de entrega de comidas, tiveram seus nomes alterados na noite de terça-feira (2). Relatos nas redes sociais indicaram que estabelecimentos exibiam frases como “Lula Ladrão” e “Bolsonaro 2022”, em vez de seus nomes originais. De acordo com o serviço, as trocas atingiram cerca de 6% dos cadastros.

Em sua conta no Twitter, já na madrugada desta quarta-feira (3), a plataforma alegou que o incidente foi causado “por meio da conta de um funcionário de uma empresa prestadora de serviço de atendimento que tinha permissão para ajustar informações cadastrais dos restaurantes na plataforma e que o fez de forma indevida”.

Restaurantes tiveram os nomes trocados no iFood Foto: Reprodução/Twitter

O iFood também informou que tomou medidas para resolver a situação e proteger os dados tanto de restaurantes quanto de consumidores e entregadores.

O serviço de entrega declarou ainda que não encontrou quaisquer indícios de vazamento de dados pessoais cadastrados na plataforma nem de dados financeiros, como informações de cartões de crédito.

– Os dados de meios de pagamento não são armazenados nos bancos de dados do iFood, ficando gravados apenas nos dispositivos dos próprios usuários, não tendo havido comprometimento de dados de cartões de crédito – informou o serviço, em suas redes sociais.

De acordo com relatos de usuários, as trocas ocorreram principalmente nas cidades de Salvador, Natal e Florianópolis. Em prints divulgados nas redes sociais, em vez de aparecer os nomes usuais dos estabelecimentos, apareciam frases com conotação política, tais como “Lula Ladrão”, “Petista Comunista” e “Bolsonaro 2022”, além de alegações falsas como “vacina mata”.

Leia também1 Jovem fica com dedos roxos após piolho-de-cobra em tênis
2 Dra. Raíssa Soares é exonerada de Secretaria de Saúde
3 Em nova série, boneco Chucky mata para defender amigo gay
4 Bruna Marquezine é criticada por sexualizar a enfermagem
5 Villa denuncia "crime" de Bolsonaro em trocar café por Coca-Cola na Itália

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.