Leia também:
X iPhone 5C é incluído em programa de troca de bateria

Google pretende melhorar o armazenamento em nuvem

Empresa irá investir milhões na construção de três novos cabos para aumentar capacidade de dados

Emerson Rocha - 16/01/2018 15h06 | atualizado em 16/01/2018 15h19

Google domina 25% das conexões de internet Foto: Wikimedia

O recurso de arquivar dados em diretórios virtuais fará a gigante Google gastar muito dinheiro até 2019. A empresa anunciou nesta terça-feira (16), que tem um projeto para construção de três cabos submarinos.

De acordo com um dos vice-presidentes da companhia, Ben Treynor Sloss, essas novas conexões servirão para aumentar e melhorar o serviço de armazenamento na nuvem.

– Estes investimentos significam conectividade mais rápida e mais confiável para todos os nossos usuários – disse ele, em um blog.

O primeiro cabo, chamado de Curie, irá conectar a cidade de Los Angeles até o Chile. A extensão dele será de quase 10 mil quilomêtros. O objetivo é ajudar os clientes da América Latina.

Haverá ainda um condutor de dados dos EUA até a Dinamarca e Irlanda. Esse será em parceria com o Facebook para melhorar o tráfego no Atlântico Norte. Já o terceiro cabo, ligará a ilha de Guam a Hong Kong. A ideia é potencializar a região da Austrália e do Pacífico.

Segundo a empresa, atualmente, a Google administra 25% do tráfego mundial de internet. Com as instalações dessas novas conexões, a intensão é dominar uma fatia ainda maior. Tanto que a companhia abrirá centros regionais este ano, em Montreal (Canadá), Holanda, Los Angeles (EUA), Finlândia e Hong Kong.

A Google não divulgou quanto irá gastar com todos esses projetos, mas a estimativa é de “centenas de milhões de dólares”, segundo Ben Treynor Sloss.

*Com informações da Agência EFE

Leia também1 Google lista revelações da música que prometem
2 Confira apps que ajudam nas emergências de final de ano
3 Google divulga os temas mais pesquisados no Brasil em 2017

Siga-nos nas nossas redes!
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.