Leia também:
X Butantan fala em chance de vacina para registro em outubro

Especialista dá dicas sobre como evitar o colesterol alto

A data de 8 de agosto é marcada pelo Dia Nacional de Combate ao Colesterol

Paulo Moura - 08/08/2020 13h55 | atualizado em 08/08/2020 17h35

Conheça os riscos de ter um colesterol desequilibrado Foto: Reprodução

A data de 8 de agosto é marcada pelo Dia Nacional de Combate ao Colesterol, tema de grande importância para a saúde pública, já que as doenças cardiovasculares por conta do colesterol alto são a principal causa de mortes no mundo e custam a vida de cerca de 100 mil brasileiros por ano.

Por isso, o Pleno.News traz uma entrevista com um dos maiores especialistas da área, o cardiologista Hermes Toros Xavier, Doutor e Pós-Doutor em Cardiologia pelo Instituto do Coração do HC-FMUSP e convidado da farmacêutica Torrent do Brasil para dar dicas sobre como evitar o desequilíbrio e quais os danos que o colesterol pode causar. Confira.

O que é colesterol e qual a diferença entre o colesterol bom e ruim?
Pequenas quantidades de colesterol são fundamentais ao organismo. Essa conhecida substância gordurosa, formada especialmente no fígado e ingerida na alimentação, nos ajuda na absorção dos nutrientes, na síntese de hormônios sexuais e na reparação dos nossos tecidos. O problema começa quando os níveis sanguíneos, especialmente do colesterol ruim, a fração LDL se sustenta elevado, permitindo o seu acúmulo na parede das artérias, levando progressivamente à formação de placas, que reduzem o fluxo de sangue pelas artérias, prejudicando o funcionamento dos órgãos, em especial do coração. O colesterol bom, o HDL, também formado internamente, tem efeitos antagônicos aos do LDL, mas sem tanto poder de impedir os malefícios do colesterol ruim.

Quais os danos à saúde o LDL-C (colesterol ruim) pode ocasionar a médio e longo prazo?
Quanto mais tempo durante a vida qualquer indivíduo permanecer exposto a níveis elevados de LDL, tanto maior será a sua chance de apresentar um evento cardiovascular como o infarto do miocárdio, o acidente vascular cerebral ou a doença arterial obstrutiva periférica. Essas manifestações do colesterol elevado costumam ocorrer por volta da quinta e sexta década da vida, na grande maioria das pessoas.

Cardiologista Hermes Toros Xavier Foto: Reprodução

Como a falta de informação contribui para aumentar os índices de pessoas com doenças cardiovasculares e nesse sentido, qual a importância de uma data como o Dia Nacional de Combate ao Colesterol (8 de agosto)?
A melhor informação é a principal ferramenta no combate ao colesterol, 08 de agosto foi criado no sentido de alertar a todos, que ao controlarmos os níveis de colesterol, através de estilo de vida saudável e medicamentos quando indicados por médicos, é possível deter o avanço das doenças CV, atualmente, a principal causa de mortalidade no mundo.

Quais são os índices registrados no Brasil e por que são tão altos?
Doenças CV matam cerca de 100 mil brasileiros ao ano. Falta de informação séria, baseada na ciência médica, acesso restrito ao diagnóstico e ao tratamento e um sem número de determinantes sociais de saúde pública, seguramente figuram entre os motivos para a expressão da doença CV.

Existe uma faixa etária “alvo”?
Prevenção deve se iniciar na infância e adolescência, o que seria a prevenção primordial. Após os 40 anos de idade, porém, se inicia o período de maior prevalência dos principais fatores de risco para a doença CV, o colesterol elevado, a hipertensão arterial e o diabetes, acrescidos pelo tabagismo, a obesidade e o sedentarismo, nas mulheres, ainda, a chegada da menopausa.

A partir de que idade deve-se procurar um médico para verificar se há problemas? Como é diagnosticado, pelo exame de sangue ou há sintomas que alertam?
Colesterol alto não dá sintomas, a única forma de diagnosticar é dosar os níveis sanguíneos. Quanto mais cedo se dosa o colesterol na vida, maior a chance de se detectar aqueles com tendência genética de produzir mais colesterol do que o necessário e, portanto, iniciar o depósito nas artérias.

É possível prevenir o “colesterol alto”? Há alimentos que ajudam?
A prevenção se faz através de um estilo de vida saudável, com consumo moderado de gorduras saturadas e atividade física regular. Porém, devemos estar cientes que do colesterol sanguíneo que temos, somente 15% vem da alimentação, o restante é produzido especialmente pelo nosso fígado, e nesse caso, somente medicação consegue inibir a produção e reduzir os valores no sangue. As melhores dietas reduzem, somente 10% do colesterol sanguíneo.

Por que grande parte das pessoas abandona o tratamento e quais as consequências para a saúde?
Primeiramente por desinformação, existe uma ideia de que o colesterol pode ser tratado temporariamente, como que por 3 meses. Esse erro pode custar caro, indivíduos sob risco de eventos devem ser tratados por tempo indeterminado, como se faz no tratamento da pressão alta ou do diabetes, o tratamento é contínuo. Outro ponto, é a constante teoria da conspiração, que o colesterol seria uma invenção da indústria farmacêutica para vender remédios, pois bem, negar a consistência de dados científicos comprovados nos últimos 30 anos, me parece, no mínimo, uma desumanidade.

Quais hábitos devem ser tomados para manter o colesterol equilibrado?
Adotar estilo de vida saudável, procurar o seu médico para uma avaliação e, no caso, de receber a orientação de usar medicamento para o controle do colesterol, como estatinas, aderir ao tratamento, com a certeza de estar melhorando a sua saúde e se prevenindo dos eventos cardiovasculares.

Leia também1 "Mal podia esperar", diz idosa que se batizou aos 96 anos
2 Ex-secretário de Witzel, Edmar Santos deixa a prisão
3 AM: Pedido de impeachment de governador é arquivado
4 Bolsonaro fala do desemprego e critica medidas de lockdown
5 Covid-19: Bolsonaro libera R$ 2 bilhões para obter vacinas

WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.