Leia também:
X Bolsonaro reforça que não tem intenção de privatizar o SUS

New York Times alerta contra vacina chinesa: “Apressada”

Jornal destacou que a CoronaVac iniciou fase 4 antes de concluir a fase 3

Pierre Borges - 30/10/2020 16h36 | atualizado em 14/10/2021 13h26

CoronaVac Foto: EFE/Ricardo Maldonado

O jornal norte-americano The New York Times publicou nesta quinta-feira (29) um grande estudo detalhando como anda o processo de desenvolvimento de 57 vacinas diferentes. Uma das vacinas apontadas pela matéria intitulada de “Coronavirus Vaccine Tracker” (Rastreador de vacinas para o coronavírus) foi a vacina chinesa CoronaVac, que está sendo cotada para aplicação no Brasil.

O jornal apurou que no caso da CoronaVac e da Sputnik V, da Rússia, a fase 3, que testaria a eficácia em larga escala, não foi completada antes que se iniciasse a quarta etapa, que libera a vacina para uso limitado.

Segundo o N.Y. Times, a empresa Sinovac Biotech, criadora da CoronaVac, anunciou em junho a testagem em fases 1 e 2 em 743 voluntários e não encontraram efeitos adversos graves, além de produzir resposta imunológica.

O teste de fase 3 foi iniciado no Brasil em julho, seguido por Indonésia e Turquia. Até o momento, o resultado da terceira fase não foi divulgado. No mesmo mês, a China deu à CoronaVac uma aprovação de emergência e iniciou a fase 4, com aplicação limitada. A vacina foi aplicada em trabalhadores considerados de alto risco, como profissionais de saúde, funcionários de serviço público e fiscais de porto.

A Sinovac se prepara para a distribuição global da Coronavac.

Leia também1 'Governo vai comprar vacina da China', contraria Mourão
2 STJ nega pedido de duas pessoas para não serem vacinadas
3 "Arruma outro para pagar sua vacina", diz Bolsonaro a Doria
4 Governo avalia liberar benefício a demitidos durante a pandemia
5 Terremoto no Mar Egeu: Sobe o número de mortos e feridos

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.