Leia também:
X OMS volta a criticar o passaporte Covid e lamenta desigualdade

Vacinas de mRNA imunizam por até 3 anos, aponta estudo suíço

Variante Delta pode ser combatida por um período menor

Pleno.News - 25/06/2021 17h16 | atualizado em 25/06/2021 17h28

Governo negocia compra de 100 milhões de doses da vacina da Pfizer Foto: EFE/Giuseppe Lami

As vacinas contra a Covid-19 desenvolvidas com a tecnologia de RNA mensageiro (ou mRNA, como a da Moderna e a da Pfizer-BioNTech) podem evitar durante três anos que um adulto sofra casos graves da doença, segundo um estudo realizado por pesquisadores suíços e divulgado nesta sexta-feira (25).

Por outro lado, a pesquisa publicada pelo Grupo Científico de Trabalho contra a Covid-19, do governo da Suíça, indica uma possível redução, para 16 meses, da imunidade das pessoas vacinadas com tais imunizantes contra as formas moderadas da doença.

Segundo os cientistas suíços, a vacina da Moderna e a da Pfizer-BioNTech (as únicas atualmente administradas na Suíça) criam uma resposta de anticorpos entre duas e quatro vezes maior do que a dos que sobreviveram à doença e desenvolveram imunidade de forma natural, o que significa uma proteção mais duradoura.

O estudo detalha que a duração dessa proteção pode diminuir entre pessoas com mais de 75 anos (entre 15 e 24 meses, nas formas graves da Covid-19, e entre sete e dez meses, nas formas moderadas) – lembrando que o estudo abrange somente vacinas de RNA de mensageiro.

A duração do período de imunização das vacinas será importante na organização de campanhas de reforço e para determinar a validade dos “certificados anticovid-19”, que pelo menos a curto prazo poderão ser necessários para viajar ou comparecer a eventos de massa na Suíça e em outros países.

O texto indica que, no caso da variante Delta (que é mais contagiosa do que as cepas anteriores do coronavírus e parece precisar de uma maior quantidade de anticorpos no sistema imunológico para ser neutralizada), os períodos de proteção calculados podem ser reduzidos, mas não se sabe exatamente o quanto.

*EFE

Leia também1 OMS volta a criticar o passaporte Covid e lamenta desigualdade
2 ‘Bolsonaro ainda vai pedir perdão para mim’, diz Miranda
3 Covid: 1° caso pode ter ocorrido na China em outubro de 2019
4 Bolsonaro estará em 'motociata' de Chapecó neste sábado
5 Polícia de Goiás recebe carta supostamente escrita por Lázaro

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.