Leia também:
X Fachin autoriza campanha de prevenção à varíola do macaco

Uso de máscaras em aeroportos e aviões deixa de ser obrigatório

Colegiado da Anvisa aprovou flexibilização da medida sanitária de forma unânime

Gabriel Mansur - 17/08/2022 17h26 | atualizado em 18/08/2022 12h22

Uso de máscaras em aeronaves não é mais obrigatório Foto: Unsplash

Em vigor desde o início da pandemia da Covid-19, em 2020, nesta quarta-feira (17) o uso de máscaras em aeroportos e aeronaves deixa de ser obrigatório no Brasil. A obrigatoriedade foi retirada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Agora, a medida passa a ser uma recomendação individual para passageiros, tripulantes e demais funcionários do voo. A decisão foi tomada por meio de uma votação unânime entre os cinco diretores da agência entra em vigor assim que for publicada no Diário Oficial da União (DOU).

Entre o critério para a flexibilização, o arrefecimento da pandemia, com queda nos indicadores de novos casos de Covid-19 e estabilidade no número de mortes, foi considerado. Além disso, o avanço da vacinação e a tendência de sazonalidade da doença entraram na análise. Ainda assim, a colegiada ressalta que o uso de máscaras faciais e o distanciamento físico são precauções efetivas de mitigação do risco de transmissão da doença e continuarão a ser recomendadas.

Os cinco diretores da agência foram unânimes ao votar pela retirada da obrigatoriedade das máscaras. Segundo o diretor Alex Machado Campos, relator da medida, a Anvisa avaliou as decisões tomadas em outros países sobre o uso de máscaras em aeroportos, mas se sustentou na realidade brasileira.

– O caminho que a Anvisa escolheu foi se assentar nos dados e nas evidências científicas, no acompanhamento e na experiência acumulada. A gente aprendeu com a pandemia. O mundo foi um grande laboratório. É óbvio que as experiências internacionais, as medidas que foram costuradas em outros países, a todo instante foram escrutinadas pelos técnicos da Anvisa – afirmou Campos, em seu voto.

Em maio deste ano, a Anvisa liberou o serviço de bordo em aeronaves, mas manteve o uso de máscaras em aviões e áreas restritas de aeroportos. Na época, o retorno do uso da capacidade máxima para transporte de passageiros também foi autorizado.

A Anvisa manteve as seguintes medidas:

*Disponibilização de álcool em gel em aeroportos e aeronaves;
*Procedimentos de limpeza e desinfecção;
*Sistemas de climatização;
*Desembarque por fileiras;
*Avisos sonoros com adaptações, recomendando o uso de máscaras, especialmente por pessoas vulneráveis.

Atualmente, países como Estados Unidos, França, Reino Unido e Portugal não exigem o uso de máscaras em aeroportos e aeronaves. Outros países, como Alemanha, Argentina, Canadá, Egito, Grécia, Japão e México, mantêm a obrigatoriedade.

Leia também1 IBGE: Pandemia gerou recorde de demissões e falências
2 Influenciador morre aos 32 anos por complicações da Covid-19
3 Butantã importará insumos para vacinar crianças com CoronaVac
4 Saúde orienta uso da CoronaVac em crianças de 3 a 5 anos
5 Anvisa proíbe venda de dois "emagrecedores milagrosos"

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.