Leia também:
X Pesquisa: Prorrogação do auxílio emergencial é defendida por 72%

Rússia pede à OMS aprovação emergencial de vacina da Covid

Sputnik V tem previsão de ser produzida e testada em fase 3 no Brasil, em uma parceria firmada com o estado do Paraná

Paulo Moura - 27/10/2020 14h05 | atualizado em 27/10/2020 14h52

Rússia pediu aprovação de emergência de sua vacina Foto: EFE/EPA/RDIF

A Rússia anunciou nesta terça-feira (27) que fez um pedido à Organização Mundial da Saúde (OMS) de aprovação emergencial de uma das suas vacinas contra a Covid-19, a Sputnik V. Os critérios para avaliar candidatas foram divulgados pela entidade no fim de setembro.

O fundo estatal que coordena a produção da vacina apresentou pedidos para registro acelerado na Lista de Uso de Emergência (EUL, na sigla em inglês) e pré-qualificação da imunização. Segundo o diretor do fundo, Kirill Dmitriev, a solicitação permitirá que a Sputnik V “seja incluída na lista de produtos médicos que atendem aos principais padrões de qualidade, segurança e eficácia”.

Procurada, a OMS informou que “a duração do processo de listagem de uso de emergência depende da qualidade dos dados apresentados pelo fabricante da vacina e dos dados que atendem aos critérios da OMS”. A entidade completou dizendo que “ainda não pré-qualificou nenhuma vacina” contra a Covid-19 e nem publicou uma lista de uso emergencial.

A Sputnik V, desenvolvida pelo Instituto Gamaleya, em Moscou, foi a primeira vacina registrada contra a Covid-19 no mundo. Há cerca de duas semanas, a Rússia anunciou um segundo registro, da EpiVacCorona, desenvolvida pelo Instituto Vector, na Sibéria. A candidata russa tem previsão de ser produzida e testada em fase 3 no Brasil, em uma parceria firmada com o estado do Paraná.

Leia também1 46,9% prefere esperar resultado de eficácia antes de se vacinar
2 Zambelli ignora "ameaça do PSL" e decide manter live com Crivella
3 Reinfecção por Covid-19: Estudos e novos casos suspeitos
4 6 milhões de doses da vacina chinesa devem chegar até 2ª
5 Bolsonaro sobre vacina: 'Não é questão de Justiça, mas de saúde'

WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.