Leia também:
X Fiocruz fala da ‘importância de vacinar crianças’ em nota técnica

Risco de Covid-19 entre jovens sobe 6 meses após CoronaVac

Constatação é de estudo liderado pela Fiocruz

Thamirys Andrade - 29/12/2021 11h53 | atualizado em 29/12/2021 12h16

Pesquisa conclui que há necessidade de dose de reforço Foto: SEI/Hélia Scheppa

Um estudo liderado pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), divulgado nesta sexta-feira (24), apontou que pessoas de 18 a 39 anos que receberam a vacina da CoronaVac possuem 4 vezes mais chances de se infectar com a Covid-19 passados seis meses da segunda dose. A pesquisa, que ainda não passou por revisão de pares, indica que o risco é maior para profissionais da Saúde.

– Fornecemos evidências de que casos moderados e graves de Covid-19 aumentaram ao longo do tempo após a conclusão da série primária da CoronaVac – disseram os cientistas.

O estudo foi conduzido no estado de São Paulo entre os dias 17 de janeiro a 30 de setembro deste ano. Além da Fiocruz, participaram do estudo instituições nacionais e internacionais, como a Organização Pan-Americana da Saúde, o Instituto de Saúde Global de Barcelona, universidades, além das secretarias municipais e estaduais de Saúde.

Ao todo, foram pareados 37.929 dados de pessoas vacinadas com a CoronaVac e que fizeram teste PCR. Os resultados apontaram que, em cada par, uma pessoa testou positivo para o coronavírus até 10 dias após o início dos sintomas.

A pesquisa apontou que a vacina chinesa apresenta alto grau de proteção contra hospitalizações e mortes. Mas, ao comparar diferentes idades e considerar o passar do tempo, o estudo constatou que, para pessoas de 18 a 39 anos, a imunidade começa a diminuir após 40 dias da segunda dose e prossegue caindo após esse período.

Aos 40 dias da segunda dose, o risco era de 1,45, enquanto, passados 6 meses, a taxa sobe para 3,87. Para profissionais da Saúde, o risco se mostrou maior, indo de 1,49 para 4,48. No caso de pessoas de 40 a 64 anos que não trabalham na área da Saúde, a taxa foi de 1,26 a 3,53.

Assim, o estudo conclui que há necessidade da dose de reforço para todos os adultos vacinados com a CoronaVac.

Leia também1 Fiocruz fala da 'importância de vacinar crianças' em nota técnica
2 STJ mantém exigência do passaporte da vacina no Ceará, Pará e DF
3 Rio contraria Saúde e irá vacinar crianças sem prescrição médica
4 Pela 1ª vez, mundo ultrapassa 1 milhão de casos de Covid em 24h
5 Putin diz que Sputnik V é eficaz contra Ômicron

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.