Leia também:
X Covid-19 veio de laboratório chinês, diz Nobel de Medicina

Planos de saúde: Reajuste será adiado durante a quarentena

Medida valerá até 31 de julho e inclui planos médico-hospitalares individuais, coletivos por adesão e de pequenas e médias empresas

Pleno.News - 17/04/2020 21h13

Planos de saúde não terão reajuste durante quarentena Foto: Agência Brasil

A FenaSaúde (Federação Nacional de Saúde Suplementar) e a Abramge (Associação Brasileira de Planos de Saúde), anunciaram, nesta sexta-feira (17), que recomendaram aos planos de saúde a suspensão temporária, por 90 dias, dos reajustes anuais de mensalidades por conta da pandemia do coronavírus.

A medida, que conta como apoio da Anab (Associação Nacional das Administradoras de Benefício), valerá a partir de 1° de maio até 31 de julho e inclui planos médico-hospitalares individuais, coletivos por adesão (de sindicatos e associações) e de pequenas e médias empresas com até 29 vidas cobertas.

Segundo as associações, a decisão contempla tanto os reajustes anuais, que acontecem a cada 12 meses de contrato, quanto os aumentos por mudança de faixa etária.

FenaSaúde e a Abramge afirmam que caberá a cada operadora informar a seus clientes os procedimentos para a implantação da suspensão, além de explicar a eles como será feito o pagamento dos valores que deixaram de ser cobrados durante os 90 dias, já que será feita uma prorrogação do reajuste e não um abatimento.

Segundo compromisso assumido pelas empresas, o pagamento desses valores ocorrerá a partir de outubro de 2020 e poderá ser dividido em três parcelas.

Para o advogado Rafael Robba, especializado em direito à saúde e sócio do escritório Vilhena Silva Advogados, a medida, aparentemente, é benéfica para o consumidor em um momento econômico delicado, mas ela esconde um problema que será evidenciado após o período de 90 dias. Segundo o advogado, o acúmulo dos valores pode ter grande impacto no bolso dos clientes, causando até a saída do convênio médico.

– Sabemos que esses reajustes não possuem nenhuma regulamentação da ANS e as operadoras não apresentam, com transparência, os índices usados para calcular o valor aplicado. Muitos usuários serão surpreendidos com mensalidades onerosas e ficarão em dívida com as operadoras – disse.

Robba lembra ainda que, recentemente, alegando prioridade no combate ao coronavírus, as operadoras conseguiram a liberação da ANS para ter acesso a parte do Fundo Garantidor, além de prorrogarem prazos máximos para atendimentos, exames e suspender cirurgias eletivas, por exemplo. Com os custos reduzidos, ele acredita que as operadoras deveriam abater o valor no reajuste para o consumidor.

– Agora, é o momento em que as operadoras deveriam repassar todas as vantagens que receberam durante essa pandemia em forma de reajuste aos beneficiários. A ANS, que permitiu diversas facilidades às operadoras, deveria agir para evitar novas condutas abusivas, como os altos índices que sempre foram aplicados sem nenhum questionamento – explicou.

*Folhapress

Leia também1 Dinamarca reabrirá pequenos estabelecimentos na 2ª feira
2 Saiba quais países não têm casos de coronavírus
3 Ministros religiosos poderão receber auxílio de R$ 600

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.