Leia também:
X “Insumos para vacinas chegam ao Brasil nos próximos dias”

Vacinas ajudarão a controlar o coronavírus, e não a erradicá-lo

"A doença provavelmente permanecerá presente por muito tempo", disse diretor de Emergências da OMS

Pleno.News - 25/01/2021 19h10 | atualizado em 26/01/2021 12h47

Michael Ryan, diretor de Emergências da OMS Foto: EFE/ Salvatore Di Nolfi/Archivo

As vacinas contra o coronavírus não servirão para erradicar a Covid-19, mas para reduzir a mortalidade e as infecções graves que levam a internações, alertou nesta segunda-feira (25) o diretor de Emergências de Saúde da Organização Mundial da Saúde (OMS), Mike Ryan.

– A vantagem da vacina é que podemos reduzir muito significativamente o número de mortes, casos graves e o impacto na sociedade em geral, e nesse sentido poderíamos voltar a uma vida normal – disse Ryan.

Ele deu declarações em uma entrevista coletiva.

A esperança de que a nova doença pudesse ser eliminada com a vacina foi frustrada por vários fatores, incluindo a presença do vírus SARS-CoV-2 em tantos países, a impossibilidade de implementar medidas abrangentes e de longo prazo para evitar as infecções e o fornecimento, ainda muito limitado, de vacinas. O desafio é enorme, considerando que a humanidade só conseguiu erradicar uma doença do planeta: a varíola.

– A cobertura da vacina não chegará ao ponto em que interromperá completamente a transmissão. A doença provavelmente permanecerá presente por muito tempo, a menos que as medidas (de prevenção) e a cobertura vacinal, que seriam necessárias, sejam atendidas – frisou o especialista.

Ele advertiu que, se alguns grupos ficarem de fora da vacinação, particularmente os adultos e jovens, erradicar a Covid-19 será mais difícil.

– Acho que não precisamos considerar a eliminação ou a erradicação deste vírus como a medida de nosso sucesso. Teremos sucesso se reduzirmos a capacidade deste vírus de matar, colocar pessoas no hospital e destruir nossas vidas economicamente – considerou.

Ryan afirmou ainda que o objetivo realista deveria ser controlar o vírus. Para isso, a OMS defende a necessidade de uma distribuição equitativa das vacinas disponíveis, para que sejam utilizadas nos grupos mais expostos ao SARS-CoV-2: trabalhadores da área da saúde, idosos e portadores de doenças crônicas em todos os países, e não apenas naqueles que chegaram a acordos diretos com as empresas farmacêuticas que estão produzindo os imunizantes.

*Com informações da Agência EFE

Leia também1 "Insumos para vacinas chegam ao Brasil nos próximos dias"
2 Fechamento de escolas no Brasil durou o dobro da média mundial
3 Eduardo Bolsonaro critica novas medidas restritivas de Doria
4 10 milhões de vacinas devem chegar da Índia em fevereiro
5 Fiocruz prevê ter insumos da vacina de Oxford em fevereiro

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.