Leia também:
X Renato Gaúcho é flagrado em praia e Grêmio se pronuncia

OMS incentiva aumento da produção de dexametasona

No entanto, remédio é indicado apenas em casos graves

Gabriela Doria - 22/06/2020 18h09

OMS reconhece eficácia da dexametasona em casos graves de Covid-19 Foto: EFE/Jorge Torres

 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) destacou nesta segunda-feira (22) que, uma vez determinado o potencial da dexametasona para salvar as vidas dos pacientes em estado grave com Covid-19, está na hora de aumentar a produção do fármaco e garantir sua distribuição em todo o mundo.

– O desafio agora é aumentar a produção e distribuir de forma rápida e equitativa a dexametasona, especialmente onde for mais necessária – ressaltou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom, na sede da entidade, em Genebra.

De acordo com o líder da OMS, desde a semana passada houve um aumento na demanda desse medicamento, utilizado desde a década de 60 para outras doenças e que é muito econômico, pois não necessita licença para ser produzido.

– Por sorte, é um medicamento barato e há fabricantes em todo o mundo, então estamos confiantes que vão acelerar a produção – comentou.

Adhanom acrescentou que é preciso priorizar os países com mais casos de Covid-19. Segundo o dirigente, a produção e a distribuição devem ser feitas “com transparência e constante supervisão” para evitar falsificações e produtos de qualidade inferior.

Como não há evidência de eficácia em casos leves ou como forma de prevenir a Covid-19 em pessoas saudáveis, Adhanom afirmou que a dexametasona “deve ser usada apenas em pacientes graves ou críticos”.

*Com informações da agência EFE

Leia também1 Dexametasona já é usada no Brasil em casos de Covid-19
2 153 medicamentos são testados contra o coronavírus
3 OMS destaca avanços da dexametasona contra a Covid
4 Anti-inflamatório reduz mortalidade por coronavírus
5 Cloroquina é o remédio mais testado para Covid no mundo

WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.