Leia também:
X No Rio, Léo Batista é vacinado contra o novo coronavírus

Estudo: Moderna e Pfizer têm menos eficácia contra variantes

Pesquisa foi publicada na revista Nature

Pleno.News - 10/02/2021 17h04 | atualizado em 10/02/2021 17h45

Atividade neutralizadora de vacinas de RNA mensageiro contra variantes é levemente reduzida, afirmam pesquisadores Foto: Divulgação/Moderna

As vacinas desenvolvidas pela Moderna e Pfizer/BioNTech são “levemente menos eficazes” contra algumas das variantes do coronavírus Sars-CoV-2, de modo mais específico as variantes inicialmente identificadas em Reino Unido e na África do Sul, motivo pelo qual pode ser necessário atualizá-las periodicamente para evitar uma possível perda de eficácia.

Essa é uma das principais conclusões de um estudo divulgado na revista Nature e liderado por pesquisadores da Universidade Rockefeller, em Nova York, nos Estados Unidos.

Segundo os experimentos realizados a partir de amostras de 20 indivíduos, a atividade neutralizadora dessas vacinas de RNA mensageiro é reduzida numa pequena margem contra as variantes do coronavírus que compartilham a mutação N501Y (prevalente no Reino Unido e na África do Sul) e a que tem a E484K (mutação presente na variante sul-africana, entre outras).

Para chegar a essas conclusões, Michel Nussenzweig e os companheiros de estudo coletaram amostras de sangue de 20 indivíduos que tinham recebido as duas doses da vacina da Moderna ou do imunizante de Pfizer e BioNTech.

Os autores constataram primeiro que ambas levavam à produção de anticorpos neutralizantes e observaram que os indivíduos imunizados com qualquer uma das duas vacinas produziam anticorpos estreitamente relacionados e quase idênticos.

Depois, para determinar se o medicamento funcionava contra as variantes, os pesquisadores testaram as amostras dos 20 indivíduos contra os vírus que tinham sido modificados para expressar uma das dez mutações da proteína S do Sars-CoV-2, a proteína que o vírus usa para entrar na célula.

Estas incluíam as mutações N501Y, E484K e K417N, uma combinação das três. A equipe constatou que a atividade neutralizadora contra essas variantes se reduzia entre uma e três vezes.

“A atividade contra essas variantes caiu em uma pequena margem, mas significativa”, então pode ser necessário atualizar as vacinas e monitorar a imunidade para compensar a evolução do vírus, concluem os autores.

*EFE

Leia também1 Casos globais de Covid-19 caem 17% em uma semana, diz OMS
2 Coronavírus: Grécia determina lockdown em Atenas
3 Covid: Centros de isolamento na Argentina repercutem caos
4 'Primeiro é Deus, depois é a vacina', destaca idosa imunizada
5 Brasil já tem 3,7 milhões de vacinados contra a Covid-19

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.