Leia também:
X RJ já aplica quarta dose contra a Covid-19 em imunossuprimidos

Em consulta, maioria é contra vacinação infantil obrigatória

A informação foi divulgada durante a audiência pública sobre vacinação de crianças contra a Covid-19

Paulo Moura - 04/01/2022 12h21 | atualizado em 04/01/2022 13h38

Vacinação de crianças Foto: EFE/EPA/Robin Van Lonkhuijsen

Durante a audiência pública realizada na manhã desta terça-feira (4) sobre a vacinação de crianças de 5 a 11 anos contra a Covid-19, a secretária extraordinária de Enfrentamento à Covid do Ministério da Saúde, Rosana Leite de Melo, informou que a maioria dos participantes da consulta pública organizada pela pasta foi contrária à vacinação obrigatória das crianças.

De acordo com Rosana, 99,3 mil pessoas e entidades foram ouvidas durante a consulta. Ainda segundo a secretária, a maioria também se mostrou contra a obrigatoriedade da prescrição médica para que os pequenos sejam vacinados. Os detalhes dos resultados não foram revelados.

– A maioria se mostrou concordante com a não compulsoriedade da vacinação e a priorização de crianças com comorbidade. A maioria foi contrária à obrigatoriedade da prescrição médica – disse Rosana Leite de Melo.

Na segunda-feira (3), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que as doses da vacina da Pfizer que serão aplicadas em crianças chegarão ao Brasil até a primeira quinzena deste mês. No final do mês passado, Queiroga defendeu a apresentação de pedido médico para vacinar contra a Covid-19 crianças sem comorbidade.

Leia também1 Com veto, Bolsonaro sanciona volta da propaganda partidária
2 Hang tenta identificar homem que apedrejou casa em que passou o Réveillon
3 Confira quais pautas polêmicas serão julgadas em 2022 pelo STF
4 Djokovic diz que tem autorização para competir sem vacina
5 Jogador de futebol da Guatemala morre após desmaio em treino

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.