Leia também:
X Governo libera R$ 1,4 bilhão para comprar vacinas contra a Covid

Diretora-geral da OMS afirma que ‘apenas vacinação não basta’

Ressurgência de casos na Europa acende um alerta

Monique Mello - 25/11/2021 12h45 | atualizado em 25/11/2021 13h01

Vacinação sem outras medidas não é suficiente, aponta diretora da OMS Foto: EFE/Chema Moya

A diretora-geral-assistente da Organização Mundial da Saúde (OMS), Mariângela Simão, avalia que a vacinação contra a Covid-19 não é suficiente para conter a pandemia. De acordo com ela, aumento de casos de coronavírus na Europa são um alerta.

– O que está acontecendo em países com maior cobertura vacinal é extremamente importante agora – afirmou ela em entrevista ao jornal Valor Econômico, nesta quarta-feira (24).

Mariângela Simão defende que a situação da Europa deve ser um alerta para o Brasil, sobretudo no que tange ao Carnaval.

– O Brasil tem de estar alerta para o que está ocorrendo lá fora […] Me preocupa quando vejo no Brasil a discussão sobre o Carnaval. É uma condição extremamente propícia para aumento da transmissão comunitária. Precisamos planejar as ações para 2022 – alertou.

A diretora reafirmou também que a volta de infecções se deu em razão das “flexibilizações das medidas restritivas”. Desta forma, “apenas” a vacinação não é o suficiente, ainda que diminua o número de hospitalizações.

– Só a vacinação não basta. Com certeza, a imunização diminuiu hospitalizações e mortes pelo coronavírus, mas não diminuiu a transmissão a ponto de eliminar a circulação do vírus – afirmou.

Publicado pela revista britânica The Lancet, em julho de 2020, um estudo revelou que, em uma comparação entre 50 países, a Covid-19 foi mais mortal em lugares com população mais velha e com maior taxa de obesidade. No entanto, não foi observada redução de mortalidade em países que fecharam suas fronteiras ou aplicaram o lockdown.

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.