Leia também:
X Aluno de 7 anos sem máscara foi impedido de assistir aula, diz pai

Butantan: CoronaVac é segura e eficaz para faixa de 3 a 17 anos

Para Dimas Covas, a vacina chinesa é a "mais segura" para crianças e adolescentes

Pleno.News - 02/12/2021 13h09 | atualizado em 02/12/2021 13h29

CoronaVac Foto: EFE/Ricardo Maldonado

A vacina CoronaVac contra a Covid-19 é segura e capaz de provocar uma resposta imune significativa em crianças e adolescentes, de 3 a 17 anos, segundo estudos de cinco países: China, África do Sul, Chile, Malásia e Filipinas.

De acordo com o Instituto Butantan, que desenvolve a vacina no Brasil junto à farmacêutica Sinovac, estudos avaliaram o imunizante em mais de duas mil pessoas, de seis meses a 17 anos, desde outubro deste ano.

O objetivo, segundo o Butantan, é fornecer base científica sólida para que os países realizem, com segurança, a imunização dos mais novos. Com os primeiros resultados clínicos, China, Hong Kong e Chile já autorizaram o uso da imunizante nessa faixa etária.

Os primeiros resultados clínicos do estudo que envolve África do Sul, Chile, Malásia e Filipinas, mostraram que a vacina CoronaVac tem um bom perfil de segurança entre os participantes. Entre os que ainda não têm três anos completos, a pesquisa continua em andamento.

O Butantan informou, ainda, que a incidência de efeitos adversos após a segunda dose foi menor do que os posteriores à primeira. Dor no local da injeção, dor de cabeça e febre foram os mais frequentes. Não houve reações adversas graves, suspeitas e inesperadas.

“VACINA MAIS SEGURA”
Recentemente, o presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, declarou que a CoronaVac “é a vacina mais segura” para a faixa etária de 3 a 17 anos. Segundo ele, essa é a vacina mais aplicada no mundo e que “já estamos próximos de 70 milhões de crianças e adolescentes” imunizados com ela.

Em 18 de agosto, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) negou a autorização para a aplicação da CoronaVac na população pediátrica. Segundo o órgão regulador, na época o perfil de segurança da vacina na faixa etária não foi suficientemente demonstrado pelo Instituto Butantan nos dados enviados.

CHINA
Os ensaios clínicos das fases 1 e 2 realizados na China foram publicados no periódico científico The Lancet Infectious Diseases. Os dados, conforme o Butantan, demonstraram que a CoronaVac é segura para a população de 3 a 17 anos e pode induzir uma forte produção de anticorpos nessa faixa etária.

O estudo avaliou 550 crianças (71 na fase 1; 479 na fase 2) que tomaram duas doses do imunizante em um intervalo de 28 dias. As análises apontaram que a vacina foi capaz de gerar anticorpos em 96% dos voluntários após 28 dias da aplicação da segunda injeção.

Na fase 1, nenhum dos participantes tinha anticorpos contra o vírus, mas, 28 dias após a vacinação, 100% deles apresentaram anticorpos.

Na fase seguinte, alguns voluntários receberam duas aplicações com dosagens menores (1,5µg) e outros receberam maiores (3µg). No primeiro grupo, 95% dos participantes apresentaram anticorpos; no segundo, o número foi de 100%. Por isso, conforme disse o Butantan, os pesquisadores optaram por seguir apenas com a dosagem mais alta no ensaio clínico de fase 3.

As reações adversas foram de leves a moderadas. Dor no local da aplicação e febre foram as mais comuns – com desaparecimento dos sintomas em até 48 horas. E 27% dos participantes relataram efeitos colaterais.

Na China, houve apenas um caso de evento adverso grave, não associado à vacina. Uma criança teve pneumonia após receber placebo.

*AE

Leia também1 Aluno de 7 anos sem máscara foi impedido de assistir aula, diz pai
2 Djokovic pode não disputar torneio por exigência de vacina
3 1º caso de Covid pela variante Ômicron é registrado nos EUA
4 Rio apura suspeita de infecção em paciente que veio da África do Sul
5 Saiba quais são os sintomas da nova variante do coronavírus

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.