Leia também:
X OMS cria plano de compensação para efeitos colaterais de vacina

Anvisa: Reações adversas das vacinas estão dentro do previsto

Agência afirmou que relatos de efeitos colaterais relacionados aos imunizantes foram apenas de sintomas leves, como dor de cabeça e febre

Paulo Moura - 23/02/2021 11h20 | atualizado em 23/02/2021 11h39

Vacina contra a Covid-19 Foto: Freepik

Cerca de um mês após o início da vacinação contra a Covid-19, a avaliação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) é de que as reações adversas relacionadas às vacinas contra a doença não são graves e estão dentro do esperado. Segundo a agência reguladora, não há até o momento dados que indiquem mudanças na avaliação da segurança dos imunizantes.

A gerente-geral de Monitoramento de Produtos Sujeitos à Vigilância Sanitária da Anvisa, Suzie Marie Teixeira Gomes, citou alguns dos sintomas relatados por pessoas que receberam os imunizantes. Nos registros, não foram documentados casos de reações graves.

– Dor de cabeça, febre, aquela sensação de gripe que muita gente relata pós-vacinação são os eventos mais frequentes. Então, não são eventos graves; são eventos esperados. São efeitos que acontecem com outras vacinas e outros medicamentos também – acrescentou.

Apesar da análise positiva até o momento, a gerente destacou que ainda é muito cedo para avaliar os dados sobre o uso das vacinas no Brasil. Muito disso se deve ao fato de que o número de vacinados no país ainda é pequeno se comparado ao de outros países, com outras vacinas que integram o Programa Nacional de Imunizações (PNI).

– Não existe, até o momento, nenhum sinal de segurança importante para que se desencadeie um processo regulatório ou uma ação regulatória. Toda essa avaliação vem sendo feita desde a primeira agulhada que foi administrada na primeira dose. Ainda é muito cedo porque o número de pessoas vacinadas ainda é muito pequeno em relação a outras vacinas – destacou.

A Anvisa deve receber nos próximos dias relatórios de benefício-risco dos fabricantes das vacinas CoronaVac e Oxford/AstraZeneca, com dados sobre o primeiro mês da aplicação no país. Os documentos servirão para auxiliar o monitoramento da segurança dos imunizantes.

Leia também1 OMS cria plano de compensação para efeitos colaterais de vacina
2 Vacina da Pfizer tem registro definitivo aprovado pela Anvisa
3 Senado pode liberar compra de vacinas por estados e empresas
4 Saúde deve ter mais 2 milhões de doses da vacina de Oxford
5 Auxílio: Governo deve gastar R$ 34,2 bi extras com nova rodada

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.