Leia também:
X Covid: China anuncia doação de 100 milhões de doses de vacina

Anvisa ordena recolhimento de lotes interditados da CoronaVac

Dados não comprovaram a realização do envase em condições satisfatórias de "Boas Práticas de Fabricação"

Pleno.News - 22/09/2021 10h19 | atualizado em 22/09/2021 10h30

Vacina da Coronavac Foto: SEI/Hélia Scheppa

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou nesta quarta-feira (22) a determinação de recolhimento dos lotes da vacina CoronaVac contra a Covid-19 que foram interditados de forma cautelar em 4 de setembro. Segundo o órgão regulador, a decisão foi tomada após a constatação de que os dados apresentados pelo laboratório não comprovam a realização do envase do imunizante em condições satisfatórias de “Boas Práticas de Fabricação”.

A vacina é produzida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan.

No dia 14 deste mês, o instituto anunciou que os lotes seriam substituídos por vacinas prontas. Ao todo, a Anvisa havia interditado cerca de 12,1 milhões de doses que foram produzidas pela Sinovac em uma fábrica não inspecionada e não aprovada pela Anvisa.

Em nota, o órgão regulador afirma que, desde a interdição cautelar, foram avaliados todos os documentos encaminhados pelo Butantan, dentre os quais os emitidos pela autoridade sanitária chinesa, que “reforçaram as preocupações da Agência quanto às práticas assépticas e à rastreabilidade dos lotes”.

– A Anvisa também realizou a análise da documentação referente à análise de risco e à inspeção remota realizadas pelo Instituto Butantan e concluiu que permaneciam as incertezas sobre o novo local de fabricação, diante das não conformidades apontadas – declara.

A agência destaca que os lotes objetos da interdição não correspondem ao produto aprovado para uso emergencial pela Anvisa, uma vez que esses lotes foram fabricados em local não aprovado pela agência.

– Portanto, considerando que os dados apresentados sobre a planta da empresa Sinovac, localizada no nº 41 da Yongda Road, em Pequim, não comprovam a realização do envase da vacina CoronaVac em condições satisfatórias de Boas Práticas de Fabricação, a Anvisa concluiu, com base no princípio da precaução, que não seria possível realizar a desinterdição dos lotes – afirma a nota.

De acordo com a Anvisa, caberá aos importadores a adoção de todos os procedimentos para o efetivo recolhimento das unidades restantes e remanescentes de todos os lotes interditados cautelarmente.

O recolhimento se aplica apenas aos lotes que foram envasados em local não inspecionado pela Anvisa e que não consta na autorização da vacina CoronaVac.

*AE

Leia também1 Covid: China anuncia doação de 100 milhões de doses de vacina
2 Justiça proíbe pai não vacinado de visitar a filha de 1 ano
3 Pfizer diz que vacina é segura para crianças de 5 a 11 anos
4 Saúde: Morte de adolescente não pôde ser relacionada à vacina
5 "Vacinação é imprescindível para retomada da economia"

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.