Leia também:
X Ipec no RJ: Cláudio Castro abre 15 pontos sobre Marcelo Freixo

Com baixa adesão, governo prorroga campanha de vacinação contra a poliomielite

Campanha foi estendida até o dia 30 de setembro

Pleno.News - 06/09/2022 21h08 | atualizado em 08/09/2022 16h18

Com baixa adesão, governo prorroga campanha de vacinação contra a poliomielite Foto: Agência Brasil/Marcelo Camargo

O Ministério da Saúde anunciou nesta terça-feira (6), que a campanha de vacinação contra a Poliomielite e Multivacinação de 2022 se estenderá até o dia 30 de setembro. A mobilização, iniciada em 8 de agosto, estava programada para se encerrar na próxima sexta (9), mas o prazo foi estendido por causa da baixa adesão do público-alvo – crianças e adolescentes – aos imunizantes.

Com a ampliação da duração da campanha, a pasta pretende aumentar a cobertura vacinal, sobretudo a da poliomielite, também conhecida como paralisia infantil, que se encontra baixa. Até o momento, apenas 35% das crianças entre 1 e 4 anos de idade foram levadas aos postos para receber a dose de proteção contra a doença e somente 4 milhões de vacinas foram aplicadas desde o início da campanha.

O objetivo do ministério é vacinar 95% ou mais do público-alvo, em um cenário no qual 14,3 milhões de crianças estão aptas a receber o imunizante.

Em 1994, o Brasil recebeu da Organização Mundial da Saúde (OMS) o certificado de eliminação da doença, mas especialistas e autoridades sanitárias alertam para o retorno do vírus e a possibilidade de novos surtos em países onde a cobertura vacinal está baixa.

Nações como Estados Unidos e Israel, que não identificavam casos da doença há quase três décadas, apresentaram diagnósticos positivos para contaminação pelo poliovírus em 2022.

No Brasil, os índices de imunização contra a pólio em crianças de até 1 ano têm caído anualmente e, desde 2015, o país não consegue alcançar o objetivo de vacinar 95% do público-alvo da campanha. Na semana passada, a Secretaria de Saúde de Rorainópolis, município localizado no interior de Roraima, anunciou que investiga um caso suspeito de poliomielite em uma adolescente de 14 anos.

A campanha contra a pólio é destinada para crianças menores de 5 anos de idade. As que não completaram 1 ano ainda devem ser imunizadas conforme a situação vacinal para o esquema primário, enquanto as que se encontram na faixa de 1 a 4 anos, precisam tomar uma dose da Vacina Oral Poliomielite (VOP), desde que já tenham recebido as três doses de Vacina Inativada Poliomielite (VIP) do esquema básico, administrada nos primeiros meses de vida.

– O Programa Nacional de Imunizações (PNI) alerta sobre a importância e o benefício da vacinação, para evitar a reintrodução do vírus da poliomielite, uma vez que o Brasil recebeu o certificado de eliminação da doença em 1994 – alertou o Ministério da Saúde em nota.

MULTIVACINAÇÃO
A vacina contra a pólio não é a única a ser distribuída durante a campanha. Uma série de outros imunizantes (veja a lista na sequência) que integram o Calendário Nacional de Imunização também fazem parte da mobilização e são ofertados gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS). A distribuição das doses é voltada para as crianças e adolescentes que estão com algum esquema vacinal incompleto ou atrasado.

Mesmo depois de 30 de setembro, as vacinas continuarão disponíveis nos postos de saúde municipais durante o restante do ano. No entanto, é no período das campanhas que as secretarias de Saúde flexibilizam os horários, ampliam as datas (sábados, por exemplo), promovem mutirões de vacinação (“dias D”) e adotam estratégias para facilitar o acesso do imunizante ao público-alvo e, com isso, ampliar a cobertura vacinal.

A campanha de vacinação coincide com a imunização contra a Covid-19, mas o ministério lembra que as vacinas contra o coronavírus podem ser administradas de forma simultânea com os imunizantes do Calendário Nacional, na população a partir de 3 anos de idade.

Para as crianças, as vacinas disponíveis são:

– Hepatite A e B
– Penta (previne contra difteria, tétano, coqueluche, meningite causada pela bactéria Haemophilus influenzae tipo b, e hepatite B)
– Pneumocócica 10 valente
– Vacina Inativada Poliomielite (VIP)
– Vacina Rotavírus Humano (VHR)
– Meningocócica C (conjugada)
– Vacina Oral Poliomielite (VOP)
– Febre amarela
– Tríplice viral (previne o sarampo, rubéola, caxumba)
– Tetraviral (previne o sarampo, rubéola, caxumba e varicela)
– Tríplice Bacteriana ou DTP (previne difteria, tétano e coqueluche)
– Varicela
– HPV quadrivalente (Papilomavírus Humano)

Para os adolescentes, as vacinas disponíveis são:

– HPV Vacina dupla bacteriana do tipo adulto ou dT (protege contra difteria e tétano)
– Febre amarela
– Tríplice viral
– Hepatite B
– Vacina tríplice bacteriana ou dTpa (previne difteria, tétano coqueluche)
– Meningocócica ACWY (conjugada)

*AE

Leia também1 Valor da cesta básica diminui em 16 capitais em agosto
2 TSE decide aprovar o registro de candidatura de Bolsonaro
3 Ipec no RJ: Cláudio Castro abre 15 pontos sobre Marcelo Freixo
4 Participantes de A Fazenda não poderão falar de política
5 Jornalista é assassinado em frente a uma rádio, no Paraguai

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.