Leia também:
X Gabriel Monteiro revela traumas na saúde após trabalho na PM

Poubel: “Bolsonaro paga caro por acabar com o sistema corrupto”

Em entrevista ao Pleno.News, parlamentar criticou imprensa e esquerda por romantizarem criminosos

Paulo Moura - 26/05/2021 16h12 | atualizado em 26/05/2021 17h04

Filippe Poubel concedeu entrevista ao Pleno.News Foto: Pleno.News/Lucas Apolinário

Um deputado sem “papas na língua”, esse é Filippe Poubel (PSL). Autodeclarado em suas redes sociais como “direitista, armamentista e antiesquerda”, o parlamentar fluminense faz parte do grupo de deputados conservadores que ganhou espaço na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) com a ascensão do presidente Jair Bolsonaro ao maior posto do Executivo nacional. E Poubel faz questão de exaltar o papel do “mito”, como Bolsonaro é conhecido Brasil afora e nesse novo espaço no parlamento fluminense.

Fazendo jus à sua descrição nas redes sociais, o deputado Poubel concedeu entrevista ao Pleno.News e não se furtou de fazer duras críticas à esquerda, à qual ele acusou de promover uma inversão de valores que beneficiaria a criminalidade em detrimento da população em geral. Outro alvo das críticas do parlamentar foi parte da imprensa que, segundo Filippe “trabalha em cima do sensacionalismo”.

Contudo, na conversa não houve apenas críticas. O deputado estadual fez questão de exaltar o trabalho do presidente Jair Bolsonaro, cujo governo foi classificado por ele como ótimo. E, como ferrenho defensor da polícia na tribuna da Alerj, Poubel parabenizou o trabalho policial na operação realizada na comunidade do Jacarezinho, na Zona Norte do Rio, no último dia 6 de maio.

Acompanhe abaixo alguns trechos da conversa e a entrevista, na íntegra, em vídeo.

Qual a avaliação que o senhor faz da operação policial realizada no Jacarezinho?
A operação, para mim, foi quase perfeita. Poderia ter tido mais vagabundos abatidos pela Polícia Civil, até porque não dá pra enfrentar narcoterroristas, narcotraficantes com rosas, quando você é recebido a tiros. Eles não receberam os policiais com rosas na favela.

Eu sou questionado muitas vezes: “Mas Poubel, não é com educação que nós vamos mudar?” Sim, eu concordo. Mas a educação é uma mudança a médio e longo prazo. A criança que nós vamos educar hoje, vamos colher os frutos daqui a 15, 20 anos.

Hoje, nós temos que ter uma política de enfrentamento. Quando se fala na Favela do Jacarezinho, é um complexo que hoje tem armamento de guerra, e a polícia tem que entrar para enfrentar esses narcotraficantes. E como vai enfrentá-los? Abatendo. Eu não posso ser alvejado e sair fora. Não posso ser alvejado e não revidar.

Hoje nós vivemos uma guerra no Rio de Janeiro. Os traficantes estão fortemente armados, [com] poder bélico, então a Polícia Civil hoje merece aplausos, merece honrarias, merece o reconhecimento da população de bem.

A população de bem não aguenta mais perder o seu direito de ir e vir. Os traficantes, os bandidos, tiraram isso da população de bem. Eu tenho certeza de que quem tem filho fica com uma preocupação tremenda se o seu filho for para a faculdade, se ele for para trabalho. As pessoas ficam orando para que ele retorne com vida, assim como a família do policial.

O senhor protocolou um projeto para reduzir o salário dos políticos durante a pandemia, para que fosse repassado para a área da Saúde. Como está essa questão atualmente?
Nós tivemos um primeiro momento de lockdown na pandemia, que foi no ano passado. Naquela ocasião, nós nos colocávamos ao lado do trabalhador. Eu, além de estar deputado, porque eu não sou deputado, eu sou empresário comerciante, e eu senti na pele o lockdown, o problema que estava sendo acarretado por você fechar o comércio. Então, nós temos que levar para o político o que a população está sentido. E foi o que eu senti como empresário, comerciante. Eu tive que dispensar funcionário, e ele não tem mais nem condição de se alimentar. Então, eu propus, no ano passado, a redução de 50% do salários de todos os políticos do estado do Rio de Janeiro: governador, secretário, deputado.

Infelizmente, meu projeto foi arquivado, mas continuamos lutando, porque a esquerda sempre prega o lockdown, mas é muito fácil pedir o lockdown com nossos salários caindo certinho na conta.

Aquele comerciante que vive do giro do comércio para sobreviver e manter sua família, que abre de dia para poder comer à noite, ele paga aluguel, ele paga imposto, ele paga IPTU, ele paga gasolina, ele paga tudo. Como ele vai pagar com o comércio dele fechado? Então, nós temos que nos colocar no lugar dessas pessoas.

Eu propus, esse ano, o cancelamento do salário dos deputados e pegar os salários do deputado, do governador e dos secretários para ajudar no combate à pandemia, para tentarmos minimizar essa situação. Mais uma vez, meu projeto [foi] arquivado.


Deputado estadual Filippe Poubel – Podcast #72
Pleno.News - 26/05/2021

Qual é a avaliação que o senhor faz desses pouco mais de dois anos e cinco meses do governo do presidente Jair Bolsonaro?
O povo clamava por uma pessoa decente e honesta. O Bolsonaro hoje paga o preço de ser um homem honesto; o preço de enfrentar essa lama de corrupção que tomou conta do nosso país. Então, infelizmente, quem torce hoje para o Brasil dar errado são pessoas que querem que o Brasil volte a ser o que era há alguns anos, quando todo dia nós tínhamos episódios de escândalo sendo noticiado. Nós estamos indo para quase três anos de governo, e não tem um indício de corrupção.

Ele [Bolsonaro] hoje paga o preço por ser honesto. A população não está preocupada se ele é grosso, se ele é ignorante, se ele briga. Ele fala o que a população quer ouvir; ele fala a língua do povo; ele fala a nossa língua, o que muitas vezes nós queríamos estar lá para falar, e os outros presidentes não falavam. Ele fala a nossa língua.

Ele [Bolsonaro] paga um preço muito caro somente por ser honesto, somente por acabar com o sistema corrupto que existia no nosso país. Infelizmente nós temos uma imprensa que a todo momento o ataca, que a todo momento tenta denegrir a imagem do nosso presidente. Mas eu costumo dizer o seguinte: “O Jair Messias Bolsonaro, o meu mito, ele é igual à massa de bolo; quanto mais bate, mais ele cresce”.

*Você pode ouvir a entrevista com o deputado estadual Filippe Poubel em podcast no Pleno.News, no Spotify, na Deezer, no Google Podcasts e no Apple Podcasts.

Leia também1 PSDB aciona o STF para obrigar Bolsonaro a usar máscara
2 Fachin considera "lamentável" Bolsonaro em atos contra o STF
3 STF: Kassio Nunes irá substituir Gilmar no comando da 2ª Turma
4 Motociata: Pazuello se reunirá com comandante do Exército
5 Omar Aziz: ‘Se Pazuello mentir de novo na CPI, sairá algemado’

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.