Leia também:
X Sarah Sheeva foi a entrevistada ao vivo desta segunda

Conselheiro do Cremerj foi o entrevistado ao vivo desta quarta

Dr Sylvio Provenzano é chefe da Clínica Médica do Hospital dos Servidores do Estado do RJ e atual conselheiro do Conselho Regional de Medicina do Estado do RJ

Virgínia Martin - 16/07/2020 15h48 | atualizado em 16/07/2020 15h49

O entrevistado desta quarta-feira (15) no Pleno.News Entrevista Live foi o médico Sylvio Provenzano. Com especialidade em Clínica Médica e Endocrinologia, ele exerce o cargo de chefe da Clínica Médica do Hospital dos Servidores do Estado do Rio de Janeiro. Com 39 anos de experiência na área médica, doutor Sylvio Provenzano já passou por variadas funcções, como a de presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (CREMERJ).

Na conversa, Provenzano esclareceu sobre vários casos de médicos que não cumprem o juramento da profissão. O CREMERJ age diante de denúncias feitas por qualquer pessoa que se sentiu prejudicada pela prática médica. O Conselho pode abrir sindicâncias para apurar casos de irregularidades, que podem virar processos. Abordou o caso do médico Edmar Santos, e ex-secretário de Saúde do Estado, que está sendo apontado como um dos responsáveis por comendar um esquema de fraudes em contratações na pasta.

Sobre a classe médica na saúde pública, doutor Provenzano destaca a dificuldade do médico migrar para postos de trabalho no interior do país, devido à falta de segurança e de um plano de carreira. Com isso, o médico não vai para onde ele é necessário. Plano de carreira é uma das reinvindicações do CREMERJ.

– O militar vai, o juiz vai, mas o médico não vai porque não tem segurança de um plano de carreira. O juiz vai porque ele tem um plano de carreira garantido até a sua aposentadoria. O médico não migra porque não existe garantia de carreira para ele.

O médico também aponta a preocupação do CREMERJ com relação à formação de novos médicos. Reconhece que há, infelizmente, no Brasil, escolas sem a menor qualificação para formação de médicos, muitas sem hospital escola e que agem para atender ao interesse financeiro de grupos. E alertou que há algumas que estão dando aulas de medicina por vídeo-conferência.

– Não sei que tipo de médico este aluno será na rede pública de saúde.

A entrevista na íntegra pode ser acessada nos canais do Pleno.News via Facebook e Youtube.

 

WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.