Sinto tanto…

Sinto saudades do meu sorriso aberto, franco, um gargalhar borbulhante, minhas mãos que se estendiam confortando, acreditando que tudo iria dar certo

Yvelise de Oliveira - 26/06/2018 09h23

Sinto saudades do meu acordar sorrindo, da minha certeza de um dia para ser vivido, mil planos, mil ideias. De quando eu dizia:

– Bom dia, meu povo! – e entrava no trabalho com o coração cheio de expectativas.

Sinto saudades do meu sorriso aberto, franco, um gargalhar borbulhante, minhas mãos que se estendiam confortando, acreditando que tudo iria dar certo.

Sinto saudades de mim mesma, de como eu encarava os fatos, de como driblava os problemas, tudo de frente, com coragem – valente!

A vida era colorida, havia em mim um brilho solto, leve, reluzente, um toque de humor peculiar que fazia as pessoas rirem de pura surpresa.

A saudade de acreditar que eu podia tudo se Deus me dissesse:

– Vai, Eu estou aqui.

Nada me detinha, eu traçava uma meta e a seguia em linha reta – olho no alvo.

Por ter vivido assim quase a vida toda foi muito difícil encarar o fato de que me tornei outra pessoa; permanentemente ou por algum tempo.

Sinto tantas saudades que meus olhos me perguntam: “Quem é você? De onde você veio? O que vou fazer com você?”.

Eu preciso me ver como estou, como sou agora, nesse tempo de reconquistar, nem que seja uma pequena parte de mim mesma, lutar, vencer ou morrer nessa busca desesperada por me reencontrar em algum lugar no passado ou no presente. Conseguir juntar-me outra vez, deixar a tristeza ir embora e a saudade me libertar de seu doloroso abraço.

Com a ajuda de Deus, sei que vou conseguir.

Yvelise de Oliveira é Presidente do Grupo MK de Comunicação; ela costuma escrever crônicas sobre as suas experiências e percepções a cerca da vida. Há alguns anos lançou o livro Janelas da Memória, um compilado de seu material. Atualmente está em processo de finalização de uma nova obra, Suspiros da Alma.