Dia Mundial dos Animais

Neste dia, a vida animal em todas as suas formas é celebrada, e eventos especiais são planejados por todo o mundo

Vinícius Cordeiro - 05/10/2017 07h00

Dia Mundial dos Animais / Foto: Reprodução

O Dia Mundial dos Animais é comemorado todo dia 4 de outubro (ontem). A origem desta data foi em 1931, na cidade de Florença, na Itália, durante uma convenção de ecologistas, no Congresso Internacional de Partidários do Movimento em Defesa da Natureza.

Neste dia, a vida animal em todas as suas formas é celebrada, e eventos especiais são planejados por todo o mundo.

A data 4 de outubro foi originalmente escolhida porque é o dia da festa de São Francisco de Assis, um amante da natureza e padroeiro dos animais e do meio ambiente. Igrejas Católicas de todo o mundo reservam o domingo mais próximo da data para abençoar os animais. Essas ações são promovidas em mais de 70 países; e preparadas não somente por milhares de organizações que fazem propaganda do tratamento humano dos animais, mas também por entidades governamentais e prefeituras; a data também serve para conscientização de toda a população.

A ONU tem programas de proteção para cerca de 800 espécies, incluindo gorila, chimpanzé, tigre, leopardo e jaguar. Há pouco a Rússia apresentou a proposta de estender o sistema de proteção também ao urso branco.

O problema do desrespeito aos animais não acontece somente no Brasil. Em quase todo o mundo existem espécies ameaçadas, e isso ocorre tanto pela poluição da natureza como pela eliminação predatória feita pelo homem.

Na Antártida, por exemplo, há a matança de focas bebês. No Japão, matam baleias para a fabricação de cosméticos, mesmo que já estejam a caminho da extinção. Na África, onde os programas de proteção engatinham, elefantes ainda são mortos para a retirada de suas presas de marfim.

No Brasil, a criação de enormes lagos e praias artificiais destroem grande parte do cerrado, afastando os animais de seu habitat, além de causar a morte de várias espécies que não conseguem correr das águas, como no Tocantins. Agressões à fauna marinha, lacustre, silvestre e aos animais domésticos têm sido diárias, como o tráfico ilegal, que, infelizmente, tem punição branda, por ser considerado crime de menor grau ofensivo.

Isso precisa ser mudado! Há muito a ser feito na proteção aos animais silvestres e de grande porte, e mesmo na proteção dos animais domésticos nas grandes cidades brasileiras.

Que o Dia Mundial dos Animais sirva de alerta e conscientização para todos nós. Preservando e protegendo os animais, estamos também protegendo o nosso habitat, o meio ambiente em que vivemos e a nossa sobrevivência como espécie.


Vinicius Cordeiro é advogado, ex-Secretário de Proteção Animal do Rio de Janeiro.
Bruna Franco é ativista, dirigente da ONG Celebridade Pet.