Cuidados ao adotar animais de estimação

Você está preparado para assumir essa responsabilidade?

Vinícius Cordeiro - 10/08/2017 10h12

Cuidados ao adotar um animal de estimação / Foto: Divulgação

Movidos pelo lucro fácil, criadores irresponsáveis multiplicam-se em feiras de shoppings, parques, praças e beiras de estrada ou fornecem animais para pet shops inescrupulosos. Não alimente a indústria de venda de animais! Sem fiscalização, este comércio caracteriza-se pela exploração cruel e sofrimento.

Assim, o ideal é não comprar animais! Cuidado redobrado com anúncios em jornais ou sites na internet, geralmente os filhotes são frutos de criações clandestinas de fundo de quintal!

Adotar é um ato de amor, mas requer compromisso! Você está disposto a cuidar do animal durante toda a vida dele? Cães e gatos vivem em torno de 10 a 18 anos. Você está preparado para assumir essa responsabilidade? Planeje tudo: verifique o ambiente da casa, condições financeiras, seu tempo (passeios são essenciais) e a integração com os outros moradores e vizinhos.

Muito cuidado com a apresentação do cachorro para seu filho. Toda cautela é pouca; não sabemos o histórico do animal que estamos adotando. É comum animais de rua terem medo de crianças, e o medo pode levar a um comportamento agressivo em autodefesa. Infelizmente, muitas crianças, ainda não educadas completamente por seus pais, exercem a crueldade contra animais de rua, o que pode causar traumas.

Se você tem outros animais em casa, cuidado ao levar um novo vindo das ruas ou de abrigos. Primeiramente, você deve levar o animal a um veterinário para fazer todos os exames, tomar todas as vacinas, e só então ele poderá entrar em contato com o animal que você tem em casa. Tente conversar com o dono do abrigo sobre o comportamento do animal, mas lembre-se que situações diferentes significam comportamentos diferentes dos mesmos animais. Deixe seu cachorro cheirar o novo companheiro, faça carinho naquele que já vive com você, dê petiscos a ele; isso evitará ciúme e reforçará a hierarquia entre os dois.

Não se esqueça de que o animal deve ser castrado e vermifugado. Acompanhe de perto todo o processo de adaptação. Instale telas de proteção para evitar que seu animal pule ou caia, além de verificar rotas de fuga, caso more em casa.

Há diversas feiras de adoção realizadas por ONGs, governo, e definitivamente, adotar é o grande negócio.

Adote, não compre!


Vinicius Cordeiro é advogado, ex-Secretário de Proteção Animal do Rio de Janeiro.
Bruna Franco é ativista, dirigente da ONG Celebridade Pet.