O centro das atenções

Ninguém discute as qualidades e o futebol de Neymar. Mas nesta Copa, ele tem aparecido mais pelas quedas e reclamações do que pelas atuações

Sergio du Bocage - 04/07/2018 17h27

O jogador Neymar Foto: EFE/EPA/Facundo Arrizabalaga

Neymar chegou à Copa do Mundo como principal jogador da Seleção brasileira. Demorou a fazer seu primeiro gol e perdeu o destaque para Philippe Coutinho. Mas voltou a ser o centro das atenções por um motivo nada agradável – as simulações.

Ninguém discute as qualidades dele. Tanto é que está sempre sendo lembrado pra constar nas listas de melhores do mundo – embora eu ache que Coutinho será eleito antes dele. Neymar é o astro do futebol francês e foi contratado para ser o garoto propaganda da Copa do Qatar, em 2022. Não é para qualquer um.

Só que, na Copa, Neymar tem aparecido mais pelas quedas e reclamações do que pelas atuações – e contra o México ele foi dos melhores em campo. A imprensa internacional não tem poupado o jogador, até porque, na Europa, simular faltas e tentar enganar a arbitragem para que puna o adversário não é muito bem visto. O USA Today o chamou de farsante e ator de teatro. A última das redes sociais foi ressuscitar um vídeo do técnico Tite, então no Corinthians, dizendo que Neymar era “um mau exemplo” ao simular situações em busca de vantagens no jogo.

Fato é que, esportivamente, se for campeão, Neymar sairá consagrado – já tem a medalha de ouro olímpica. Se não for, terá pela frente uma avalanche de críticas e cobranças. Fora de campo, creio que sendo ou não campeão terá a imagem manchada. Caberá só a ele a recuperação.

Sergio du Bocage é carioca e jornalista esportivo desde 1982. Trabalhou no Jornal dos Sports, na TV Manchete e na Rádio Globo. É gerente de programas esportivos da TV Brasil e apresenta o programa “No Mundo da Bola”.