Eu já sabia! E já havia “previsto” a grande campeã da Copa 2018!

Daqui a quatro anos, a Copa está de volta. E prometo que só vou falar da provável campeã depois que a EA fizer a previsão dela

Sergio du Bocage - 17/07/2018 09h39

“A Eletronics Arts, uma desenvolvedora de jogos eletrônicos, utilizou o DLC (downloadable content, ou seja, conteúdo “baixável”) da Copa do Mundo no FIFA 18 para realizar todos as partidas da fase de grupos até a final. Usando as estatísticas dos jogadores, a EA prevê que a França será campeã, derrotando a Alemanha nos pênaltis, após empate de 1 a 1 no tempo normal. E que o Brasil será derrotado pela Bélgica, nas quartas de final”.

França comemora o título na Copa 2018 FFoto: EFE/EPA/Facundo Arrizabalaga

Em coluna publicada aqui, no fim do mês de maio, o resultado da Copa foi antecipado. E da mesma forma que em 2010 e 2014, a empresa cravou a campeã do mundo. Não acertou o adversário, nem o placar final, mas a Croácia, sem dúvida foi uma grande surpresa, como também a eliminação da Alemanha. Em compensação, antecipou a vitória belga. Não dá pra desconfiar deles, na Copa do Qatar.

A Copa da Rússia pode não ter sido a melhor de todas, mas também não foi a pior. Daria uma nota 7 ou 8, acima da média, justificada pelo fato, por exemplo, de não termos um craque destacado, alguém que tenha se sobressaído aos demais.

Pela primeira vez, as semifinais não contaram com Alemanha, Argentina ou Brasil. São equipes que, mesmo mal, atraem a atenção. Da mesma forma, não tivemos a alegria dos africanos já nas oitavas de final.

Essa foi a Copa dos pênaltis: 29 – recorde absoluto, com apenas 7 desperdiçados. Foi a dos gols contra: 12 – o dobro do recorde mantido desde 1998. Gols que saíram de faltas ou escanteios (as bolas paradas) foram 72 dos 169, ou 42,6%, outro recorde. Todas as seleções fizeram, ao menos, dois gols, inédito na história das Copas. E só houve um 0 a 0, isso depois de 37 jogos realizados.

São números que entram para a história, alguns a serem batidos. Daqui a quatro anos, a Copa está de volta. E prometo que só vou falar da provável campeã depois que a EA fizer a previsão dela.

Sergio du Bocage é carioca e jornalista esportivo desde 1982. Trabalhou no Jornal dos Sports, na TV Manchete e na Rádio Globo. É gerente de programas esportivos da TV Brasil e apresenta o programa “No Mundo da Bola”.