Coluna Sergio du Bocage: Os Estaduais já foram mais atraentes

O esforço para acabar com os Estaduais é grande. Basta ver os regulamentos, nos quatro principais campeonatos do país

Sergio du Bocage - 31/01/2018 15h26

A bola rola pelo país e a dúvida é: você está acompanhando o campeonato estadual?

Eu sou defensor dos Estaduais. Não fossem eles e a rivalidade que vemos no futebol, Brasil afora, não existiria. Infelizmente em vários pontos essa rivalidade se transformou em violência, foi deturpada pela infiltração nas torcidas de pessoas com outros interesses que não apenas o futebol. Mas falando do lado positivo, é essa rivalidade que mantém a paixão do torcedor acesa e não o faz desistir de acompanhar o esporte.

É bem verdade que, em várias pesquisas de opinião, vemos o índice “não acompanha futebol” superar a opção pela grande maioria dos clubes de futebol. Às vezes surge em primeiro lugar – à frente até mesmo de quem prefere o Flamengo ou o Corinthians. Mas, apesar disso, o futebol sobrevive.

Só que no início do ano temos esses Estaduais. E o que até há alguns anos era o mais atraente produto do futebol brasileiro, hoje parece relegado a ser um aquecimento para outras competições, nacionais e continentais.

Uma pena. Mas o esforço para acabar com os Estaduais é grande. Basta ver os regulamentos, nos quatro principais campeonatos do país. No Mineiro e no Gaúcho, 12 times jogam em turno único e os oito (8!!!) primeiros se classificam para as fases seguintes. Haja motivação para ver um jogo na primeira fase.

No Paulistão, os times foram divididos em quatro grupos. Eles não se enfrentam dentro de sua própria chave, mas, haja o que houver, dois de cada grupo seguem em frente. Ou seja, se os times da Chave A, por exemplo, perderem todos os jogos para os das chaves B, C e D, mesmo assim dois deles seguem em frente na briga pelo título.

E no Carioca, um time pode ganhar os dois turnos, somar o maior número de pontos, chegar invicto no fim de tudo. Mesmo assim, ele terá de jogar uma partida final contra o vencedor de um quadrangular entre os OUTROS quatro times de melhor campanha. Quem sair desse turno final, pega o que já deveria ter sido campeão. E se vencer, leva o título para casa – o empate dá o título para quem estava na espera.

É muita criatividade para fazer regulamentos ruins. E com isso os Estaduais vão perdendo sua força. Eu lamento.

Sergio du Bocage é carioca e jornalista esportivo desde 1982. Trabalhou no Jornal dos Sports, na TV Manchete e na Rádio Globo. É gerente de programas esportivos da TV Brasil e apresenta o programa “No Mundo da Bola”.