Leia também:
X Djokovic: Um símbolo de liberdade contra o autoritarismo sanitário mundial

O Brasil tem uma legislação que protege bandidos e os vê como vítimas

Enquanto não mudar o pensamento de que bandido é vítima, as coisas tendem a piorar

Sargento Fahur - 11/01/2022 17h19

Internos deixando o Complexo da Papuda Foto: EFE/ Joédson Alves

As polícias no Brasil, mesmo com todos os seus graves problemas de salários indignos, cargas horárias desumanas, efetivos defasados, têm trabalhado muito em defesa da sociedade. Porém elas são reféns de uma legislação que protege bandidos, de parte de um Judiciário que enxerga o preso como coitadinho, vítima da sociedade.

Existem inúmeros casos de bandidos que são detidos várias vezes em curtos espaços de tempo, demonstrando que eles não ficam presos e que voltam a delinquir. Também temos vistos as “saidinhas” de presos em várias ocasiões (Natal, Dia dos Pais, Dia das Mães, Páscoa). Muitos desses presos, ao “ganharem” a liberdade temporária, voltam a cometer crimes, causando verdadeiro terror na sociedade.

Tenho acompanhado o retorno dos presos que foram beneficiados com a última “saidinha” de Natal e constei que, em algumas localidades, cerca de 70% desses presos não voltaram na data prevista, ou seja, fugiram e, com certeza, fizeram isto com as piores intenções. A média de retorno na última “saidinha” de Natal foi menor que 50%, ou seja, menos da metade dos presos que foram beneficiados com a medida voltaram para dar continuidade ao cumprimento de suas penas.

O pior de tudo é que, entre esses presos que foram “agraciados” com a “saidinha”, estão aqueles ligados a facções criminosas; são bandidos perigosos. Todos esses presos que cumpriam pena haviam sido encarcerados devido ao trabalho das polícias pelo Brasil afora e em meio a muitas dificuldades. Se a sociedade de fato conhecesse quão difícil é prender e condenar – e principalmente manter preso – um bandido no Brasil, ficaria abismada.

Estamos lutando no Congresso Nacional para mudar esse estado de coisas, mas as dificuldades são imensas. Enquanto não mudar esse pensamento de que bandido é vítima da sociedade, as coisas tendem a piorar. A sociedade não tem paz com as ruas infestadas de bandidos e ainda precisa enfrentar viciados em crack que furtam e roubam o que aparece pela frente, para poder adquirir e usar a maldita droga.

Estamos apresentando projetos que, se aprovados, vão endurecer a vida de criminosos, mas é preciso apoio e pressão da sociedade organizada em cima do Congresso Nacional para que essas mudanças de fato aconteçam.

Sargento Fahur é deputado federal, o mais votado pelo Paraná em 2018. Trabalhou por 35 anos na Polícia militar prendendo bandidos e traficantes.

* Este texto reflete a opinião do autor e não, necessariamente, a do Pleno.News.

Leia também1 Após "saidinha", 42% dos presos não voltam para cadeias do RJ

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.