Sou cristão, posso jogar na Mega-Sena?

Volta e meia alguém me pergunta se é lícito um crente em Jesus jogar na Mega-Sena ou em algum outro tipo de jogo de azar

Renato Vargens - 14/05/2018 11h33

Caros leitores do Pleno.News, hoje quero falar de algo muito interessante e importante, pois volta e meia alguém me pergunta se é lícito um crente em Jesus jogar na Mega-Sena ou em algum outro tipo de jogo de azar.

Pois é, apesar da Bíblia não legislar diretamente sobre o tema, acredito que ela nos traga algumas percepções que precisam ser observadas a fim de que tenhamos uma visão saudável sobre a legitimidade de se apostar ou não em loterias.

1. É importante que entendamos que as Escrituras nos advertem claramente de que não devemos amar o dinheiro (I Tm 6:10). A Bíblia nos encoraja a ficarmos longe das tentativas de “enriquecimento fácil” (Pv 13:11; 23:4-5; Ec 5: 10). Mesmo porque, segundo a perspectiva bíblica, o jogo gira em torno do amor ao dinheiro o que, inegavelmente, faz com que as pessoas acreditem na promessa de riqueza fácil e rápida.

2. As Escrituras afirmam categoricamente que a prosperidade se dá mediante ao trabalho (Pv 13:11) Todavia, ao contrário de acreditar nessa premissa, tenho a impressão que o inconsciente coletivo do brasileiro está pautado na ideia de que se é possível prosperar sem trabalhar.

Talvez seja essa uma das razões para termos tantas loterias e raspadinhas espalhadas por este país. Sem sombra de dúvida afirmo que os cidadãos tupiniquins almejam por prosperar, no entanto, para estes, essa prosperidade não pode em hipótese alguma relacionar-se ao trabalho, até porque, é muito mais fácil e rápido usar de subterfúgios mágicos com vistas ao enriquecimento, do que passar anos a fio dedicando-se ao batente.

Ora, Calvino acreditava que o homem possuía a responsabilidade de cumprir a sua vocação através do trabalho. Na visão de Calvino, não existe lugar para ociosidade em nossas agendas. E ao afirmar isto, o reformador francês, não estava a nos dizer que homem deva ser um ativista, ou até mesmo um tipo de worhaholic. Na verdade, Calvino acreditava que a prosperidade era possível desde que fosse consequência direta do trabalho.

3. A Bíblia nos ensina que o Senhor cuida dos seus e que devemos buscar o seu Reino em primeiro lugar na certeza de que agindo assim, as outras coisas nos serão acrescentadas (Mt 6:33). Isto posto, ao apostarmos nossas fichas e recursos em uma loteria estamos em outras palavras afirmando que não acreditamos na providência de Deus.

O grande pregador, Charlles Spurgeon certa vez afirmou:

“As coisas terrenas têm demasiadamente absorvido meus pensamentos hoje. Não tenho sido capaz de fixar minha atenção inteiramente em meu Salvador. No entanto, apesar disso, o Senhor não tem me ocultado o Seu rosto. Ainda que tentado, não fui abatido; ainda que provado, não fui vencido; verdadeiramente, tudo isso é pela soberana misericórdia de Deus… As chuvas de abril estão caindo hoje; o Senhor não esquece suas promessas. Jesus tomou meu coração: ‘Antes que eu o sentir, minha alma me pôs entre os carros de Aminadab. Faz-me saber, oh tu a quem ama minha alma ama, onde apascentas, onde descansa ao meio-dia; quero estar sempre contigo, oh Amado meu, sem mancha e o mais formoso!'”.

Caro leitor, o Senhor é a nossa PROVIDÊNCIA! Aleluia! Ele prometeu que cuidaria de cada um de nós e que nenhum fio de cabelo cairia das nossas cabeças sem o seu consentimento! Louvado seja o Seu nome por isso!

Diante dessas afirmações, além é claro, do entendimento que o jogo é viciante e que apostas constantes podem quebrar o bolso do jogador, prejudicando assim sua vida, saúde e família, aconselho o crente em Jesus a não apostar suas fichas e esperança em qualquer tipo de jogo de azar.

Naquele que vive e reina,

Renato Vargens é pastor sênior da Igreja Cristã da Aliança em Niterói, no Rio de Janeiro e conferencista. Pregou o evangelho em países da América do Sul, do Norte, Caribe, África e Europa. Tem 24 livros publicados em língua portuguesa e um em língua espanhola. É também colunista e articulista de revistas, jornais e diversos sites protestantes.