Leia também:
X #6 Conteúdo é tudo

Sobre a criança de 10 anos que engravidou de um pedófilo

A pedofilia não é uma doença e, sim, um crime

Renato Vargens - 17/08/2020 13h43

Menina de 10 anos fez aborto (imagem ilustrativa) Foto: Reprodução

Quando eu soube da história da menina de 10 anos que engravidou de um pedófilo, eu chorei. Confesso que fui tomado de uma imensa dor que arrebentou com minha alma. Me coloquei no lugar dos familiares, e não tive outra coisa a fazer a não ser chorar.

Eu na verdade já tinha escrito sobre o grave problema da pedofilia e da necessidade da Igreja de Cristo combater esse acinte. Agora, diante desse relato horrendo e desesperador sinto que preciso me posicionar quanto ao acontecido, o que faço abaixo de forma sucinta. Vale a pena ressaltar que fazê-lo não é fácil, visto a complexidade do tema. Todavia, apesar da nefrálgica situação entendo que seja importante uma posição do que penso para aqueles que me comumente me leem.

LEIA TAMBÉM
+ Aborto: O nome moderno para o sacrifício a Moloque
+ Damares Alves: “Existe estupro de bebê neste país”
+ Justiça autoriza aborto em criança de 10 anos estuprada
+ Grupo vai a hospital impedir aborto em menina estuprada
+ Médicos realizam aborto em menina estuprada pelo tio
+ Saiba quem é o médico que fez o aborto em menina estuprada
+ “A violência do aborto é tão terrível quanto a do estupro”

Em primeiro lugar, quero manifestar minha dor e solidariedade à família desta menina, que foi abusada sexualmente. Em segundo lugar, entendo que pedofilia não é uma doença e, sim, crime. E que todo aquele que comete esse tipo de pecado precisa ser punido com o rigor da lei, recebendo por seu ato pena máxima.

Em terceiro lugar, apesar da dor e do sofrimento, mantenho minha posição de ser contrário ao aborto em toda e qualquer situação. Entendo que um crime jamais justifica o outro, visto que aborto é assassinato. Em quarto lugar, entendo que tanto a menina como a família precisam receber por parte do Estado acompanhamento psicológico e terapêutico.

Por fim, em quinto e último lugar, compreendo que nesse caso, o bebê talvez precisaria de um outro lar, e o melhor seria a adoção por uma outra família.

Com lágrimas nos olhos,

Renato Vargens é pastor sênior da Igreja Cristã da Aliança em Niterói, no Rio de Janeiro e conferencista. Pregou o evangelho em países da América do Sul, do Norte, Caribe, África e Europa. Tem 24 livros publicados em língua portuguesa e um em língua espanhola. É também colunista e articulista de revistas, jornais e diversos sites protestantes.
* Este texto reflete a opinião do autor e não, necessariamente, a do Pleno.News.
Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.