Se Deus é bom, por que Ele permite tragédias?

Tragédias possuem a cruel capacidade de sugar de nossos corações a expectativa de um mundo melhor

Renato Vargens - 11/02/2019 10h09


Sempre que uma tragédia de grandes proporções acontece em algum lugar do mundo, ouvimos: Por que isso? Por quais motivos Deus permite tragédias?

Pois é, tragédias são indescritíveis. Elas não têm hora para chegar, não pedem licença e, sem que as autorizemos, abruptamente invadem nossa vida, interrompendo sonhos, projetos e ideais. Tragédias nos provam, nos sacodem existencialmente, violentam a alma. Tragédias possuem a cruel capacidade de sugar de nossos corações a expectativa de um mundo melhor.

Infelizmente, a vida nos reserva momentos extremamente difíceis. Mesmo porque, existem instantes na caminhada em que a tragédia arromba as portas da nossa casa levando-nos ao pranto e desespero. Em situações como estas é comum o questionamento: “Por que, Senhor? Por que permites tragédias? Por que isso? Por que, sendo bom, permites tragédias como o tsunami que matou milhares de pessoas na década passada? O que fizemos para merecer tal coisa?

Ora, não quero ser simplista em tentar explicar tragédias, até porque, nem sempre nos é possível fazê-lo. Todavia, as Sagradas Escrituras nos apontam um Deus Soberano que tudo sabe, tudo vê e que, nas entrelinhas, nos ensina a confiar exclusivamente Nele. Ademais, a Bíblia também nos mostra que, devido ao pecado de Adão, toda a natureza sofreu as consequências de sua desobediência. Em outras palavas, tsunamis, terremotos, furacões e tufões apontam de forma efetiva para a criação caída que geme, esperando o dia da sua redenção.

Em Romanos 8:19-21 encontramos o ensino que diz: “A ardente expectativa da criação aguarda a revelação dos filhos de Deus. Pois a criação está sujeita à vaidade, não voluntariamente, mas por causa daquele que a sujeitou, na esperança de que a própria criação será redimida do cativeiro da corrupção, para a liberdade da glória dos filhos de Deus”. A Queda da humanidade em pecado afetou tudo, incluindo o universo onde habitamos. Tudo na criação está sujeito à corrupção. O pecado é a causa principal para os desastres naturais, da mesma forma que é a causa principal para a morte, doenças e sofrimento.

Tudo bem, talvez você esteja dizendo: “Mas, será que Ele não poderia impedir esses desastres naturais? Afinal de contas, Ele não é bom?” – Dirão alguns.

Sim. Deus poderia impedir desastres naturais e inúmeras vezes. Devido à Sua bondade e misericórdia, Ele o fez no decorrer da história. As Escrituras e os relatos de crentes de todas as gerações nos mostram isso. Todavia, Deus às vezes usa os desastres naturais como um amplificador de Sua voz, cujo objetivo é mostrar aos homens a finitude da vida, bem como a necessidade de nos voltarmos ao Criador. Além disso, as Escrituras também nos ensinam que existem casos em que tragédias podem apontar para o juízo de um Deus justo e santo sobre uma sociedade que se rebelou contra os Seus decretos e Palavra.

Por fim, concluo esse texto afirmando que o Deus revelado pelas Escrituras não é um déspota masoquista que tem prazer na dor e no sofrimento dos homens. Nosso Senhor usa as agonias e angustias da vida, no intuito de que a humanidade enxergue sua fragilidade, sua finitude, bem como seu estado de rebelião para com Ele, entendendo assim a necessidade de arrepender-se de seus pecados, reconhecendo-O como único e suficiente Salvador.

Pense nisso!

Renato Vargens é pastor sênior da Igreja Cristã da Aliança em Niterói, no Rio de Janeiro e conferencista. Pregou o evangelho em países da América do Sul, do Norte, Caribe, África e Europa. Tem 24 livros publicados em língua portuguesa e um em língua espanhola. É também colunista e articulista de revistas, jornais e diversos sites protestantes.

Clique para receber notícias
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo