Leia também:
X Existe um caminho à frente

Por acaso existem “almas gêmeas”?

Será que existe base para esse tipo de pensamento entre os cristãos?

Renato Vargens - 16/07/2021 12h52

Volta e meia, vejo alguns jovens cristãos dizendo que ainda não casaram porque estão esperando que Deus lhes envie sua “alma gêmea”.

Pois é! Será que a Palavra de Deus ensina isso? Será que existe base para esse tipo de pensamento entre os cristãos?

Ora, nenhum texto da Bíblia respalda a ideia de “alma gêmea” nem indica que haja um cônjuge específico, escolhido por Deus, para cada pessoa. Na verdade, a Palavra do Senhor nos mostra que a vida nos reserva decisões, as quais precisam ser tomadas de forma sábia.

Nessa perspectiva, acredito que o casamento com alguém não se deva ao descobrimento de uma “alma idêntica” à nossa, e sim à escolha racional de com quem desejamos passar a vida. Logo, posso afirmar que Deus não determinou uma pessoa “certa” para casar conosco e que a decisão sobre com quem devemos casar cabe especificamente a cada um de nós.

As Escrituras nos dizem que o Senhor orientou as filhas de Zelofeade a darem-se em casamento a quem lhes parecesse bom, contanto que fosse com um homem da tribo de seu pai (Números 36:6).

Isto posto, podemos afirmar que namoro, noivado e casamento são decisões únicas e exclusivas das pessoas envolvidas, desde que seja entre os filhos da aliança. Portanto, pare de esperar e de procurar uma “alma gêmea”. Busque um cônjuge que, acima de tudo, ame ao Senhor e viva para Sua glória.

Renato Vargens é pastor sênior da Igreja Cristã da Aliança em Niterói, no Rio de Janeiro e conferencista. Pregou o evangelho em países da América do Sul, do Norte, Caribe, África e Europa. Tem 31 livros publicados em língua portuguesa e um em língua espanhola. É membro dos conselhos do TGC Brasil e IBDR.

* Este texto reflete a opinião do autor e não, necessariamente, a do Pleno.News.
Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.