CORONAVÍRUS
- Tudo o que você precisa saber
-->
Leia também:
X O exemplo que vem de Brasília

A relação entre as redes e o circo de horrores do Império Romano

As mídias estão servindo para "sociabilizar" o pecado

Renato Vargens - 25/03/2020 10h44

Na semana que passou em assisti nas redes sociais alguns vídeos que me deixaram estarrecido. Assisti um rapaz dando uma surra de pau num homem, meninas dançando funk com todo tipo de erotismo, um adolescente afrontando a polícia com arma em punho e muito mais.

Pois é, diante de tanta maldade, cheguei a conclusão que as Redes Sociais estão servindo para “sociabilizar” o pecado, mostrando pra todo país que o mundo jaz no maligno. Além disso, para nossa vergonha e preocupação, a proliferação e “curtição” de muitos destes vídeos apontam para o fato inequívoco de que parte dos internautas estão gostando daquilo que veem.

Caro leitor, ao testemunhar nas Redes Sociais fatos como esses torna-se impossível não pensar no Império Romano e no seu circo de horrores. No tempo dos imperadores multidões ávidas por sangue, dor e sofrimento se reuniam em arenas para assistirem feras destroçando pessoas indefesas. Se não bastasse isso, os gladiadores levavam o público ao êxtase ao derramar o sangue de seus oponentes demonstrando assim que a vida humana não valia absolutamente nada.

Prezado amigo, diante tanta perversidade, o que mais me choca é ver “cristãos” se “divertindo” com a barbárie curtindo e compartilhando vídeos de tamanha brutalidade.

Lamentavelmente o que deveria servir como instrumento de relacionamentos sociais saudáveis transformou-se numa propagadora de violência, caos e pecado. Além disso, penso também que quando uma Rede Social deixa de promover encontros passando a promover desencontros, males e dores, torna-se dispensável.

É o que penso, é o que digo!

Renato Vargens é pastor sênior da Igreja Cristã da Aliança em Niterói, no Rio de Janeiro e conferencista. Pregou o evangelho em países da América do Sul, do Norte, Caribe, África e Europa. Tem 24 livros publicados em língua portuguesa e um em língua espanhola. É também colunista e articulista de revistas, jornais e diversos sites protestantes.
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo