5 motivos para terminar um namoro

Muitos insistem em se casar, quando as coisas já não iam bem no namoro. Fique atento!

Renato Vargens - 16/05/2018 10h22

Tenho convicção de que muitos casamentos fracassam pelo fato de, no período de namoro alguns princípios não terem sido observados pelos namorados. Senão bastasse isso, acredito também que alguns casais mediante o aparecimento de alguns “sinais” deveriam interromper o relacionamento, entendendo assim que o casamento poderá agravar a crise vivenciada no período de namoro.

Isto posto, visando ajudar os jovens em seus relacionamentos, elenco cinco razões que tem por objetivo levar os namorados a discernirem se devem terminar o relacionamento. São elas:

1. Possessividade. Eu, particularmente, já vi vários relacionamentos complicados em virtude do fato de que o namorado ou a namorada, devido a um ciúme doentio desenvolvem uma relação possessiva, dominante e sufocante. Relacionamentos desse naipe, além de doentios, contribuem para a infelicidade do relacionamento.

2. Brigas e discussões frequentes. Casais que mais discordam do que concordam, que brigam por quaisquer motivos e dificilmente chegam a uma conclusão, é muito pouco provável que serão bem -sucedidos no casamento.

3. Ofensas e xingamentos. Volta e meia, eu vejo casais de namorados que perderam o respeito mútuo. Se o namorado ou namorada ofende, xinga, grita e perde o controle usando palavras descabidas e de baixo calão, isso é um claro sinal de que no casamento as discussões poderão ter consequências mais graves.

4. Mundos opostos. Se os sonhos de vocês não são os mesmos, se não existe cumplicidade na relação e se os objetivos de vida são absolutamente distintos, promovendo assim um divórcio de “mundo” isso talvez signifique dizer que quando casarem terão problemas na relação.

5. Jugo desigual. Para muitos dos nossos jovens e adolescentes não existe o menor problema em namorar um não cristão. Entretanto, o que talvez eles desconheçam é o ensino bíblico de que não devemos nos colocar em jugo desigual com os incrédulos (II Coríntios 6: 14).

Calvino, por exemplo, costumava dizer que o jugo desigual era nada menos que manter comunhão com as obras infrutíferas das trevas e estender-lhes a destra de companhia. Em outras palavras, para o reformador francês, isto significava estar ligado ao mesmo tempo, lado a lado na mesma canga. É a metáfora dos bois ou cavalos que têm de andar juntos, desfrutando das mesmas práticas, porque estão presos na mesma canga. Portanto, escolher uma pessoa que compartilha da mesma fé e sonhos é fundamental para a construção de um namoro equilibrado e saudável, como também o oposto poderá trazer sérios problemas num futuro casamento.

Pense nisso!

Renato Vargens é pastor sênior da Igreja Cristã da Aliança em Niterói, no Rio de Janeiro e conferencista. Pregou o evangelho em países da América do Sul, do Norte, Caribe, África e Europa. Tem 24 livros publicados em língua portuguesa e um em língua espanhola. É também colunista e articulista de revistas, jornais e diversos sites protestantes.