4 razões porque a igreja brasileira está lotada de falsos convertidos

Renato Vargens - 19/08/2019 10h42

De norte a sul, de leste a oeste, em todo Brasil encontramos milhões de pessoas frequentando as igrejas evangélicas. Contudo, ouso afirmar que boa parte daqueles que participam de nossos ajuntamentos, não foram regenerados pelo Espírito de Deus, nem tampouco se converteram ao Senhor. Na verdade, um número incontável de “evangélicos” pode ser catalogados no rol dos falsos convertidos. Isso porque, os seus testemunhos não condizem com sua fé, o que por si só nos fazem ruborizar de vergonha. Senão bastasse isso, é absolutamente perceptível a ausência de frutos e arrependimento entre os chamados evangélicos, visto que a fé professada por esses não tem redundado em mudança de comportamento e vida.

Diante desse triste diagnóstico surge a pergunta: Por que nossas igrejas estão lotadas de inconversos? Quais são as razões para isso? Ora, não quero ser simplista em minha resposta, todavia, gostaria de elencar pelo menos 4 razões para isso:

1. Abandonamos a pregação e a exposição das Escrituras
Lamentavelmente a igreja deixou de pregar a Palavra de Deus, preferindo anunciar um evangelho miscigenado, de conteúdo humanista e antropocêntrico, cujo objetivo final é a satisfação do cliente.

2. Terceirizamos a liturgia, entregando na mão de músicos despreparados teologicamente a condução do culto
No desejo de que a igreja cresça os pastores deixaram a direção do culto na responsabilidade de músicos e afins. O problema é que mediante canções estapafúrdias, bem como desprovidas de verdades bíblicas, a teologia cantada aos poucos foi mudando o conteúdo do culto, levando a igreja a uma percepção absolutamente equivocada de quem seja Deus, como também as verdades fundamentais à fé cristã.

3. A transformação do culto de louvor a Deus num culto de promoção de entretenimento
A indústria do entretenimento tomou conta de inúmeras igrejas. Nessa perspectiva, pastores e lideres tem entendido que o culto a Cristo, precisa ser mais light, menos pesado, com uma pregação positiva, além é claro de proporcionar ao visitante a possibilidade de desfrutar de um ambiente com muita música, arte, teatro e shows. A conseqüência disso é que um numero enorme de pessoas, não foram confrontadas pelo Evangelho, o que por conseguinte, não experimentaram a salvação em Cristo Jesus.

4. O critério usado para alguém se tornar membro de nossas igrejas é raso, superficial, e inconsistente.
O “evangelho” que temos pregado em nosso país tem contribuído para a inchação de nossas congregações, levando-nos a impressão de que este evangelho fashion é que faz a diferença no mundo em que vivemos.

Diante disso vale a pena perguntar: Será que as “portas de entrada” de nossas igrejas não estão escancaradas demais? Ora, não sei se você já percebeu, mas para se tornar membro de uma igreja local não precisa de muita coisa, não é mesmo? Basta o individuo “levantar sua mão, confessar Jesus”, que tornar-se-á membro de uma igreja local, sem contudo que de fato tenhamos certeza de que nasceu de novo.

Como já escrevi anteriormente penso que a “catolização” dos evangélicos e a superficialidade de uma multidão de frequentadores de culto é um fator preocupante e que precisa ser tratado de forma firme por parte dos pastores brasileiros, até porque, se o não fizermos, experimentaremos em curto espaço de tempo o aparecimento de uma era pós-cristã.

Pense nisso!

Renato Vargens é pastor, conferencista, tendo já pregado o Evangelho em países da América do Sul, Norte, Caribe, África e Europa. É escritor, com 24 livros publicados em língua portuguesa e 1 em língua espanhola. É também colunista e articulista de revistas, jornais e diversos sites protestantes, editor do site renatovargens, pastor sênior da Igreja Cristã da Aliança em Niterói e membro do conselho da Coalizão pelo Evangelho (TGC).

Clique para receber notícias
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo