CORONAVÍRUS
- Tudo o que você precisa saber
-->
Leia também:
X Casar é decidir escrever uma história

Minha conversa com um homossexual

Todos precisamos negar a nós mesmos para termos na eternidade uma vida com Deus!

Pr. Lucas - 07/05/2018 10h26

Olá, meus amigos do Pleno.News, tudo bem? Hoje quero conversar com vocês sobre questões que tocam à Igreja como um todo. Esclareço que não tenho a pretensão de ser um reformador do Evangelho na minha geração. Afinal de contas, quem sou eu? Sim, eu reconheço minha limitação teológica e intelectual, aliás, nem tenho formação em Teologia. Porém, acredito que há uma cunho tão simples no Evangelho, que muitas vezes dificulta os doutos e alguns teólogos de captar essa simplicidade. Então tudo que quero, em meus artigos, é falar da forma mais clara e simples possível sobre o Evangelho puro de Jesus.

Hoje quero tentar reproduzir aqui, uma conversa que tive com um jovem homossexual que estava na igreja. Vou denominá-lo apenas como jovem e nas minhas falas me dirigirei como pastor.

Jovem: Pastor, eu vim aqui porque não sei mais como guardar isso. Eu amo Jesus, mas apesar de eu estar na igreja, eu não sou normal!

Pastor: Como assim você não é normal?

Jovem: Pastor, eu sou gay. Eu tento não pensar nisso, tento ignorar, mas sempre que vejo alguém interessante do mesmo sexo que eu, sinto uma atração enorme. Não importa o que eu faça, já orei, jejuei, mas nada muda! Como vou ficar na igreja sentindo isso? Eu me sinto muito mal! Já até pensei em suicídio, porque se não posso mudar, o jeito é acabar com isso. E mais, já vou para o inferno de qualquer jeito mesmo. Além disso, como vou encarar meus pais? Eles são importantes na igreja. O que eu faço?

Pastor: Tenho uma pergunta: Isso incomoda você? Você luta contra isso?

Jovem: Sim! Incomoda muito. E luto. Luto todos os dias!

Pastor: Bom… já que você se abriu e foi sincero, eu também vou me abrir com você. Eu sou hétero, acho lindo o sexo oposto. Quando era solteiro e via uma garota bonita, eu sentia atração física, e um dos meus problemas, é que eu não achava apenas uma garota bonita, todas as bonitas me chamavam a atenção. Mas sabe com quantas dela eu forniquei, ou peguei, ou namorei, ou transei?Nenhuma!

Aí me casei, e incrivelmente, as mulheres bonitas continuam sendo bonita aos meus olhos, mas eu continuo todo dia tendo que desviar os meus olhos, e me concentrando em quem amo. Todo dia, eu escolho receber o amor da mulher com quem me casei, sendo leal a ela. Amar minha esposa, não tornou as outras mulheres menos interessantes, mas eu escolhi amar e honrar uma só mulher. Assim como imagino que a minha esposa deve saber claramente que existem muitos homens interessantes neste mundo, mas sou eu o homem que ela decidiu amar e honrar. Não importa o quanto interessante sejam as outras mulheres, eu vivo todo dia uma escolha.

Sabe, filhão, na essência, a minha heterossexualidade é tão pecaminosa quanto à sua homossexualidade, nos dois teremos que fazer escolhas. Nós dois seremos tentados a fazer coisas que não devemos fazer. Nós dois somos convidados a trair quem nos ama profundamente; e eu estou falando de Jesus. Então… talvez, você nunca deixe de se interessar por pessoas do mesmo sexo, mas a sua escolha de negar a si mesmo por um amor maior, isso é lindo! Assim… não se martirize, Jesus sabe disso antes de você ter vindo aqui me confessar. E Jesus fica orgulhoso por você reconhecer seu pecado e lutar contra ele.

Agora, há um detalhe importante nessa conversa sobre o nosso futuro… quer saber?

Jovem: Quero! Qual?

Pastor: Bom… como eu gosto de mulher, eu me casei com uma, como você gosta de homem, você terá que se casar com um homem! Certo?

Jovem: Como assim, pastor?

Pastor: Eu pude casar nesta vida com uma mulher. Mas você vai ter que esperar um pouco mais para se casar… mas você poderá ter um marido. E está escrito na Bíblia. Lucas 5:34 mostra que Jesus se coloca como o esposo da Igreja. Já em Mateus 25, Jesus conta a parábola das dez virgens. Elas simbolizam a Igreja e O Noivo, Jesus. E em muitos outros textos existem essa referência de Jesus como o esposo. Então, nesse casamento, na eternidade, eu e você vamos casar com o mesmo marido.

Filhinho, assim como um noivo deve se guardar para a sua amada, assim você deve se guardar para o seu marido, JESUS. Então, continue tentando. Sim, você será tentado, sentirá desejos que não gostaria de sentir! Você chegará a titubear, mas permaneça firme. Jesus foi tentado. E ser tentado não é estar em pecado!

Jovem: Pastor… estou aliviado! Quer dizer que não vou para o inferno por ter esse sentimento?

Pastor: Claro que não, meu filho! Você só irá para o inferno, se durante sua vida você se entregar a esse pecado a ponto de não mais se arrepender. Assim como se eu também me entregar aos meus desejos carnais. Não se esqueça que sendo hétero ou homossexual, sábio ou tolo, pobre ou rico, todos temos renúncias a fazer. Todos precisamos negar a nós mesmos para termos na eternidade uma vida com Deus!

“Porque aquele que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á, e quem perder a sua vida por amor de mim, achá-la-á. Pois que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua alma? Ou que dará o homem em recompensa da sua alma?” (Mateus 16:25,26 ).

No fim dessa conversa, nos abraçamos, oramos, choramos e dei outras diretrizes a ele que, para manter sua leitura dinâmica, não conseguirei abordá-las aqui. Mas, se você se identifica ou tem alguém em sua família ou no seu grupo de amigos que vive a crise entre sua homossexualidade e sua fé em Deus, envie o link deste artigo… quem sabe possamos salvar alguns dentre tantas pessoas confusas e feridas em sua sexualidade? Oro a Deus por isso.

E, que Deus abençoe vocês.

Pastor Lucas nasceu em Santa Vitória, em Minas Gerais. Sua carreira de compositor começou em 2011. Há quatro anos como cantor, lançou três CDs. Congrega na Comunidade Evangélica Vida no Altar, em São Paulo. É casado com Thaisa Rahmé e pai de Gabriel e Samuel.